Há um lince ibérico à solta no Parque das Nações

A obra do artista Bordalo II foi inaugurada no domingo por António Guterres.

Um enorme lince ibérico, bastante colorido e feito de lixo pelo artista Bordalo II, é a nova atração no Parque das Nações, em Lisboa.

A obra foi inaugurada no domingo por António Guterres, secretário-geral das Nações Unidos, após a conferência mundial Lisboa+21 que se reuniu na Altice Arena os ministros da juventude de mais de 100 países para debater a emergência climática. Na sessão de encerramento, Guterres admitiu que a sua geração falhou numa resposta apropriada ao desafio da emergência climática e que compreende agora que os jovens podem e devem liderar esta luta.

Enquanto o secretário-geral discursava, cá fora Bordalo II terminava a sua peça. Criada a partir de materiais reutilizados, a obra que representa o lince ibérico ficará no jardim do Parque das Nações, como recordação simbólica de Lisboa+21.

Conhecido por realizar obras a partir de sucata e outros materiais encontrados no lixo, o artista há muito que chama a atenção para a questão do excesso de resíduos e do desperdício no planeta. Em 2017, explicava numa entrevista ao DN: "A ideia que eu tenho é de criar imagens das vítimas da poluição e da ação do homem exatamente com aquilo que os destrói, com aquilo que os mata. O mundo está a ser destruído e eu estou a criar imagens com aquilo que o destrói, com aquilo que destrói a natureza, que a vai degradando." Os animais tomam a vez da figura humana no seu trabalho. "Apesar de haver uma componente humana em todo o trabalho que eu faço, porque todo o lixo que eu utilizo é por causa do nosso dia a dia, e da forma como nós não sabemos gerir os recursos, o próprio planeta, de forma sustentável."

O lince, grande e cheio de cores, já começou a ser fotografado pelos transeuntes, que têm partilhado as suas imagens nas redes sociais:

O lince ibérico é uma espécie considerada em perigo. A reintrodução de lince em Portugal iniciou-se em 2015 na área do Vale do Guadiana, concelho de Mértola. Segundo o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas e Ministério do Ambiente, entre 2015 e 2017 foram libertados 27 animais nessa região. Desde 2016 que há reprodução na natureza e a maioria dos animais apresenta território estável. Em 2018, viviam na Península Ibérica cerca de 640 exemplares, segundo um censo. Desde o início de 2019 terão nascido no Vale do Guadiana 30 crias de lince ibérico.

Já em 2016, o artista Bordalo II tinha feito um lince ibérico numa parede de Viseu.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG