Presidente da Transtejo: "Quando os barcos falham, falham primeiro no Seixal"

Os seixalenses sentem-se os parentes pobres da travessia do rio. A Transtejo admite que eles têm razão.

Ana Paula Silva já não tem mais desculpas para oferecer. É auxiliar de ação médica do Hospital Egas Moniz, às oito tem de chegar ao seu posto para substituir a colega do turno da noite, mas esta semana chegou sempre depois das nove.

"O meu caso não é o pior, ontem estava aí um miúdo desesperado porque ia falhar uma frequência na faculdade e na segunda era uma senhora que tinha consulta com o bebé." Nos últimos dias, metade das travessias do Tejo foram suprimidas a partir do Seixal e os utentes estão revoltados.

"É que é sempre a nós que calha a fava no bolo-rei."

A frase é comum entre os três mil passageiros que diariamente tomam aqui o catamarã para viajar entre o Seixal e o Cais do Sodré. Esta semana, foi pior do que é costume. Principalmente na terça: à hora de ponta, de manhã e ao fim da tarde, várias travessias foram canceladas.

Das seis às nove da manhã os horários prometem 16 viagens entre margens, mas só se cumpriram oito. O mesmo à tarde, entre as 16h30 e as 19h30. Muita gente foi apanhada desprevenida e dezenas de pessoas chegaram mesmo a invadir um dos barcos, o que obrigou à intervenção da Polícia Marítima.

"Um dos problemas é que só colocaram um cartaz a avisar das perturbações na segunda-feira, quando as pessoas já tinham ido para os seus trabalhos", diz Rita Lisboa, que há dois anos e meio trabalha no café da estação, o regresso a Bordo. "Hoje, muita gente pegou nos carros ou apanhou o comboio, encontrou uma alternativa. Outros vieram para aqui três barcos mais cedo. É o costume."

Eram oito da manhã e já não havia pão para servir sandes, nem no café da estação nem a bordo das embarcações - que têm também um pequeno bar.

No pequeno quiosque que existe no exterior do terminal fluvial, Inês Carvalho também ouvia os protestos atrás do balcão: "As pessoas acham que isto acontece sempre no Seixal e é uma injustiça. Tínhamos aqui dois barcos e um foi desviado para Cacilhas."

A presidente da Transtejo admite que os seixalenses têm razão. "Como é a carreira que tem menos passageiros, acabamos por desviar daqui as embarcações quando é preciso compensar alguma avaria", diz Marina Ferreira.

"A nossa manta é curta e, quando os barcos falham, falham primeiro no Seixal. Porque a gestão que temos de fazer é difícil. Se supríssemos viagens em Cacilhas, Barreiro ou Montijo, onde há mais utentes, haveria mais gente prejudicada."

Problemas atrás de problemas

Dos cinco cacilheiros que a Transtejo tem ao seu dispor para fazer a rota entre o Cais do Sodré e Cacilhas, nenhum estava operacional no início desta semana.

O Seixalense e o Sintrense estão em reparações até ao Natal, o Madragoa está avariado há meses sem que haja financiamento à vista para repará-lo, o Dafundo viu impugnado o concurso para a sua reabilitação e por lei não pode circular. Restava o Campolide, que avariou no domingo.

Mobilizaram-se o São Jorge, com capacidade para mil lugares, e o Aroeira - para compensar as falhas. Mas era pouco para as encomendas.

Dos sete catamarãs que em teoria apoiam as rotas do Montijo e do Seixal, quatro estavam em funcionamento. Então a Transtejo retirou um ao Seixal e mobilizou-o para Cacilhas. Os seixalenses ficaram com barcos quase de hora a hora nas alturas de maior tráfego.

"Há ainda oito catamarãs no Barreiro, mas esses estão afetos à Soflusa, outra empresa. Além disso, é a carreira com mais movimento", diz Marina Ferreira.

Na última década, a frota que atravessa o Tejo tem sofrido reduções constantes. A atual presidente admite-o: "Os navios foram avariando e ficaram encostados. Ainda por cima, nos anos de austeridade, a palavra de ordem era a privatização."

Duas embarcações perfeitamente operacionais foram vendidas. A atual administração, que assumiu funções em 2017, também vendeu um navio. "Foi para a sucata, já não tinha operacionalidade. Temos de ver que uma boa parte dos nossos barcos tem mais de 45 anos."

Há dois barcos, o Lisbonense e o Almadense, que são relativamente novos. Têm sete anos, estão normalmente ao serviço da linha Belém-Porto Brandão-Trafaria e, no entanto, sofrem avarias constantes.

"Vieram com defeitos de construção do estaleiro da Figueira da Foz e estão cheios de problemas", diz Marina Ferreira. Os motores são demasiado pesados, consomem muito combustível, fazem mais ruído do que seria expectável.

"Foi uma falha total. Tanto que o estaleiro teve de pagar uma indemnização à Transtejo por incumprimento do contrato. Quase todos os nossos barcos estão velhos, e os mais novos que temos são um enorme poço de problemas."

Empurrados para o comboio

Antes de os catamarãs serem introduzidos no Tejo, em 1997, a Transtejo tinha alugado uma série de embarcações escandinavas para que os utentes não fossem prejudicados pela antiguidade da frota portuguesa. Marina Ferreira diz que essa solução não é agora exequível.

"O problema é que, em quase todos os catamarãs do mundo, os embarques fazem-se pela popa ou pela proa. O Tejo tem correntes específicas e seria sempre preciso fazer obras de adaptação. Aqui, os desembarques acontecem pela lateral da embarcação."

A sua explicação é esta: o investimento nesses alugueres não seria diferente daquele que o primeiro-ministro anunciou na terça-feira. António Costa, recorde-se, prometeu 18 milhões de euros imediatos para que as reparações pudessem arrancar.

Em abril, o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, tinha também anunciado a abertura de um concurso para aquisição de novos novas embarcações até ao final do verão - 50 milhões de euros para comprar dez novos barcos.

A promessa foi adiada. Agora, no entanto, o governo diz que quer o concurso aberto até ao final de janeiro. Se a intenção se confirmar, os novos navios deverão chegar ao Tejo em 2022.

Entretanto, a manta vai ter de continuar a esticar. Na quarta-feira, já sabendo que havia supressões nas carreiras do rio, muitos seixalenses preferiram ir de carro ou comboio para Lisboa. Ao fim da tarde, após um barco ter sido reparado, a normalidade foi retomada.

"Às vezes parece que nos querem fazer ir de comboio", diz Ana Paula Silva, a auxiliar de ação médica que tem chegado todos os dias atrasada ao hospital. "Só que os preços são o dobro e todos temos de fazer contas à vida."

Paga 50,75 euros de passe, para poder tomar o barco e depois os transportes na capital. A mesma opção, tomando o comboio no Fogueteiro e usando a rede em Lisboa, fica-lhe a 112,10.

Então a sua opção é continuar a tomar o barco do Seixal, mesmo que o barco continue a atrasar-lhe a vida. "A minha sorte é que já estou nos quadros. Já viu o que seria de mim se estivesse com contrato a prazo. Acabava despedida com tanto atraso. Tenho colegas assim mas, vá lá, têm sorte." Sorte? "Pois, não vivem no Seixal."

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.