Vestido e roupa interior de Kathryn Mayorga "desapareceram"

O advogado da norte-americana que acusa Cristiano Ronaldo de a ter violado afirmou que o vestido e a roupa interior que foram entregues na polícia desapareceram. O depoimento que Kathryn Mayorga terá prestado à polícia após a alegada agressão sexual também não existe

O vestido e a roupa interior que Kathryn Mayorga, então com 24 anos, usou na noite de 13 de junho de 2009 no quarto do hotel Palms Place, em Las Vegas, onde diz ter sido violada por Cristiano Ronaldo "desapareceram". Quem o diz é Leslie Stovall, o advogado da norte-americana, à revista alemã Der Spiegel. Conta que Mayorga descobriu, ao formalizar a queixa junto da polícia na semana passada, que, além da roupa, também o depoimento que fez em 2009 sobre a alegada agressão sexual já não existe.

De acordo com Stovall, a norte-americana disse que entregou a roupa interior e o vestido à polícia como sendo uma prova do que terá acontecido naquela noite em que esteve com o jogador português. A polícia de Las Vegas não comenta o caso.

Defesa de Mayorga quer falar com ex-namoradas de Ronaldo

O advogado critica a atuação da polícia por não ter dado seguimento à investigação após ter sido apresentada uma queixa em 2009, altura em que Mayorga terá revelado o nome do alegado agressor.

Perante este cenário - ausência da roupa interior usada na noite da alegada violação e do depoimento prestado às autoridades na altura - a defesa de Mayorga pretende ouvir ex-namoradas do jogador português. Segundo Leslie Stovall, estes testemunhos vão "ajudar a construir uma imagem do comportamento de Ronaldo, que pode ser vital para o caso", disse o advogado ao jornal britânico Sunday Mirror. "Ex-namoradas podem ser muito esclarecedoras sobre a sua conduta anterior", reforçou.

"Não vamos deixar pedra sobre pedra"

A modelo russa Irina Shayk - namorou cinco anos com o jogador da Juventus -, a atriz inglesa Gemma Atkinson e a espanhola Nereida Gallardo são algumas das mulheres que tiveram uma relação amorosa com Ronaldo. "Eu quero falar com qualquer namorada que o conheceu intimamente. Viajo para o Reino Unido se for necessário", afirmou Stovall.

A defesa de Mayorga acusa o português de 11 crimes, entre os quais os de violação, coação, abuso de pessoa vulnerável e violação de contrato. "Kathryn está determinada para que ninguém sofra o que ela está sofrer. Não vamos deixar pedra sobre pedra em busca desse objetivo", garantiu o advogado.

De acordo com o jornal britânico, o depoimento das ex-namoradas será feito na presença dos advogados de ambas as partes. Um processo que é frequentemente gravado em vídeo e conduzido como se estivessem em tribunal.

De acordo com o "Sunday Mirror", a defesa de Mayorga quer também entrar em contacto com uma mulher, que agora tem 40 anos, que acusa Ronaldo de alegada agressão sexual quando o jogador tinha 20 anos e defendia as cores do Manchester United. O caso terá sido denunciado às autoridades em 2005 por uma mulher franco-africana que alegou ter sido violada no Hotel Sanderson, em Londres. A queixa acabou por ser retirada. "Estamos ativamente à procura dessa mulher. Ela pode ter informação que pode ajudar no nosso caso. É importante falarmos com ela", afirmou Leslie Stovall.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.