Medicamento mais caro do mundo já foi aprovado para Matilde e outra criança

Administração do medicamento para tratamento de atrofia muscular espinhal de tipo 1 (a forma mais grave) dependia de um pedido do hospital ao Infarmed e da respetiva autorização, que foi dada na semana passada.

O Infarmed já aprovou o pedido excecional para a administração do Zolgensma, o medicamento mais caro do mundo, quer para Matilde quer para uma outra criança que também é seguida no hospital de Santa Maria, ambas com atrofia muscular espinhal (AME) tipo 1. Depois de angariados dois milhões de euros pelos pais Matilde para a compra do fármaco, cabia ao Santa Maria, de onde a bebé de dois meses deverá ter alta esta quinta-feira, solicitar ao Infarmed uma Autorização de Utilização Especial, para que, em caso de resposta positiva, fosse o Estado a financiar o tratamento. O pedido foi feito na semana passada e aprovado em menos de 24 horas.

Na quarta-feira, os pais da bebé Matilde anunciaram que a bebé vai para casa esta quinta-feira. A família diz que ainda não tem "novidades sobre o Zolgensma" e que tem "um longo caminho a percorrer", mas o DN sabe que o pedido feito pelo Hospital de Santa Maria já foi aprovado pelo Infarmed.

Na semana passada, Carla Martins e Miguel Sande revelaram que tinham dado início ao tratamento com um medicamento já existente em Portugal, o Spinraza, visto ser "o que está disponível neste momento". A administração deste fármaco tem como objetivo "travar" a doença até à chegada do Zolgensma, para o qual a burocracia já estava "ultrapassada", acrescentavam os pais.

O fármaco tem o valor de 1,9 milhões de euros e ainda só foi aprovado nos EUA. Aguarda agora a aprovação pela Agência Europeia de Medicamentos. Trata-se de uma terapêutica genética experimental, que tem vindo a apresentar resultados positivos e prolongados, embora ainda não se consiga ter a certeza se são permanentes.

Carla Martins e Miguel Sande já tinham confirmado que o Estado irá comparticipar o medicamento e têm vindo a reforçar o compromisso em utilizar o dinheiro angariado para ajudar outras crianças com a mesma doença rara que a filha tem. "Mantemos o nosso compromisso de que todo o valor que não for utilizado para a Matilde será para as outras 'Matildes'", escreveram.

Nos últimos dias, o casal fez várias publicações no Facebook, nas quais revelava que a bebé já se encontra melhor e que os próprios já conseguem cuidar da pequena Matilde sem a ajuda das enfermeiras.

Matilde sofre de atrofia muscular espinhal do tipo 1, a forma mais grave desta doença rara, que é causada por mutações num gene - o SMN1. A doença, que se caracteriza por perda de força, atrofia muscular, paralisia progressiva e perda de capacidades motoras, tem uma esperança média de vida de dois anos. Afeta todos os músculos do corpo, mas não tem qualquer efeito nas capacidades cognitivas.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG