Lince-ibérico e órix-da-arábia. Ou, como a reprodução em cativeiro pode evitar a extinção

São histórias felizes, de resgate à extinção, graças a programas de reprodução em cativeiro. E são mais espécies do que se imagina, incluindo felinos europeus, mamíferos africanos e asiáticos, e até um pequeno anfíbio australiano

O pequeno rinoceronte-branco-do-Sul [Ceratotherium simum simum] nasceu no dia 25 de novembro, mas o jardim zoológico de Pairi Daiza, na Bélgica, decidiu anunciá-lo só esta segunda-feira, para ter a certeza de que tudo está a evoluir favoravelmente com a cria e a sua progenitora, a fêmea Madiba. Afinal, o pequeno rinoceronte, "um macho adorável", como dizem os responsáveis do zoo belga, é o mais recente caso de sucesso do programa de reprodução em cativeiro em que aquele jardim zoológico está envolvido, entre outros no mundo, para a proteção desta espécie de rinoceronte.

Com estatuto de "quase ameaçada", atribuído pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), as populações de rinoceronte-branco, uma espécie da savana africana, que se distribui na região austral de África, sofreram uma quebra acentuada nas últimas décadas, estimando-se que existam nesta altura menos de 18 mil indivíduos na natureza, um número considerado muito baixo, do ponto de vista da sua conservação.

Daí a criação do programa de reprodução em cativeiro, que pretende sobretudo promover a diversidade genética da espécie, a fim de lhe mais chances de novos cruzamentos e de sobrevivência. Este, no entanto, nem é o rinoceronte em pior situação quanto ao futuro.

Num ponto mais dramático estão, por exemplo, o seu primo mais chegado, o rinoceronte-branco-do-Norte, do qual restam hoje apenas duas fêmeas no mundo, tendo o último macho morrido no ano passado, ou o rinoceronte-negro, o rinoceronte-de-Java e o de Sumatra, todos com estatuto de "criticamente ameaçados".

Em situações de quase limite como a que enfrentam todos estes rinocerontes e muitas outras espécies de grandes mamíferos - os relatórios científicos mostram que as populações de animais selvagens registaram um declínio de cerca de 60% em todo o mundo, nas últimas quatro décadas -, o recurso à reprodução em cativeiro é muitas vezes a última hipótese de evitar que as espécies resvalem definitivamente para a extinção.

Não faltam casos felizes a demonstrá-lo, a começar desde logo pelo lince-ibérico, que no início do milénio chegou a ter estatuto de "criticamente ameaçado" - em Portugal já não se observava desde 1989 - e que, graças ao programa conjunto de Portugal e Espanha de recuperação de habitats, reprodução em cativeiro e reintrodução da espécie na natureza, está a evoluir favoravelmente.

A situação presente do lince-ibérico ainda não deixa respirar de alívio - deixou de estar "criticamente ameaçado" para ser agora "ameaçado" - mas os sinais são positivos. Os animais nascidos em cativeiro e reintroduzidos no habitat natural já estão a reproduzir-se aí há pelo menos quatro anos, distribuindo-se por ambos os lados do Vale do Guadiana. Os números mostram que dos menos de 100 exemplares que havia em 2001, se passou para mais de 400 animais em menos de duas décadas.

Tigres, antílopes e anfíbios

Mas o lince-ibérico não é caso único. Um outro felino icónico, de outro porte e de um outro continente, o tigre-de-Sumatra é igualmente uma espécie "criticamente ameaçada", para a qual também está a ser utilizada a reprodução em cativeiro, no contexto de jardins zoológicos, embora os resultados ainda não sejam completamente conclusivos.

Endémico da ilha indonésia de Sumatra, como o seu nome diz, este tigre mantém ainda o mesmo estatuto, estimando-se que restem já poucas centenas de exemplares na natureza. O programa, no entanto, continua.

Mais sorte parece ter tido o órix-da-Arábia (Oryx leucoryx), um antílope do deserto arábico que praticamente se extinguiu nos anos de 1970, mas que graças a um programa de reprodução em zoos foi possível reintroduzir com sucesso no deserto arábico. Hoje contam-se mais de mil exemplares da espécie na natureza, sendo a sua população considerada "vulnerável", mas estável.

Outro caso exemplar é o de um pequeno anfíbio australiano, uma rã de pele riscada que esteve em risco de desaparecer por causa de um fungo letal, mas que um programa de conservação posto rapidamente em prática por vários jardins zoológicos da Austrália, incluino o de Taronga, em Sydney, conseguiu salvar.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...