Universidade do Porto rejeita ligação a negacionistas das alterações climáticas

Em comunicado, a Universidade do Porto (UP) nega que as posições assumidas pelos oradores do Independent Committee on Geoethics sejam um reflexo da visão da instituição

Em causa está a polémica com a presença de várias personalidades conhecidas como negacionistas das alterações climáticas numa conferência que vai realizar-se na Faculdade de Letras da UP na sexta-feira e no sábado.

Entre os oradores está Piers Corbyn, irmão do líder trabalhista britânico Jeremy Corbyn, que considera que a contribuição humana no aquecimento global é "mínima" e que o aumento da temperatura se deve a um aumento da atividade solar.

Em comunicado enviado à Lusa, a Universidade do Porto esclarece que a conferência "Basic Science of Climate Change: How Processes in the Sun, Atmosphere and Ocean Affect Weather and Climate" é uma "iniciativa de uma docente da mesma faculdade, sendo da responsabilidade da Independent Committee on Geoethics".

A academia sublinha que a sua realização "não significa que as posições assumidas pelos seus oradores e participantes sejam um reflexo da visão da Universidade do Porto sobre o tema em debate".

"As universidades devem, contudo, afirmar-se como um espaço de debate e discussão por excelência, onde a partilha de diferentes ideias e perspetivas deve ser valorizada", pelo que, "a censura de opiniões não faz, nem deve fazer, parte da natureza das instituições de ensino superior e é nesse contexto que a Universidade do Porto irá acolher a referida conferência", acrescenta o comunicado.

No documento, a instituição refere, ainda, que "o combate às alterações climáticas e a sustentabilidade ambiental são uma prioridade para a Universidade do Porto, principal promotora do projeto Casa Comum da Humanidade, que pretende apresentar às Nações Unidas um novo sistema de governação global dos recursos planetários e elevar o sistema terrestre à condição de Património da Humanidade".

Recorde-se que, em declarações ao DN, o bioquímico David Marçal, que foi um dos primeiros cientistas a criticar a realização da conferência, acusou a universidade de estar a "alugar ou mesmo a oferecer" a sua credibilidade e defendeu um recuo da instituição.

Também ao DN, a presidente do comité da organização, a geógrafa Maria Assunção Araújo, afirmou que a conferência pretende fazer um debate científico sobre a questão, com "pessoas cientificamente muito válidas", bem como questionar o consenso sobre a influência humana nas alterações climáticas, que considera ser uma "ideia alarmista".

A geógrafa, defende, aliás, que "há censura" contra quem não subscreve a explicação científica das alterações climáticas com base na emissão de gases de efeito de estufa e diz que um dos objetivos é ultrapassar essa censura.

Os oradores polémicos

Além de Piers Corbyn, a conferência terá entre os oradores o sueco Nils-Axel Morner, uma figura controversa que se tem destacado pelas intervenções negacionistas das alterações climáticas. Crítico do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, Morner também questiona a ideia da subida média do nível dos oceanos.

De acordo com o jornal The Guardian, um estudo do investigador fez capa de uma revista, há sete anos, com falsas alegações sobre a subida do nível dos oceanos. Na revista, Mörner referia que lugares como as Maldivas, Bangladesh ou o Tuvalu não "precisavam de temer o aumento do nível dos oceanos" e o artigo também referia que não havia relação entre os níveis dos oceanos e as alterações do clima.

Já Christopher Monckton, outro dos oradores, é conselheiro do The Heartland Institute, um think tank norte-americano e conservador que se tem afirmado no combate às evidências científicas que comprovam o aquecimento global. De acordo com um artigo do The New York Times, em fevereiro de 2012, uma fuga de informação sugeria que a organização estava a planear uma iniciativa para minimizar o ensino sobre o aquecimento global nas escolas públicas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.