Alterações climáticas. Universidade do Porto promove conferência de negacionistas

Um dos oradores defende que subida da temperatura se deve ao aumento da atividade solar, outro nega a subida do nível médio dos oceanos e outro é um cético em relação à "influência antropogénica no clima"

"U. Porto junta especialistas para falar de alterações climáticas", lê-se no site da Universidade do Porto que anuncia a realização da conferência "Basic Science of Climate Change", que vai decorrer na Faculdade de Letras daquela universidade nos dias 7 e 8, no final desta semana.

A conferência é organizada pelo Independent Committee on Geoethics (IGC) com o objetivo expresso de "(des)contruir algumas ideias sobre alterações climáticas", lê-se na apresentação do evento no site da universidade. Mas, a avaliar pelos organizadores e alguns dos oradores, segundo a descrição no próprio site do evento, o objetivo parece ser especificamente desconstruir a ideia de que o aquecimento global é causado pelo homem.

Para a presidente do comité da organização, a geógrafa Maria Assunção Araújo, professora daquela Universidade, a conferência pretende fazer um debate científico sobre a questão, com "pessoas cientificamente muito válidas", e questionar o consenso sobre a influência humana nas alterações climáticas, que considera ser uma "ideia alarmista". Aliás, defende mesmo que "há censura" contra quem não subscreve a explicação científica das alterações climáticas com base na emissão de gases de efeito de estufa e diz que um dos objetivos é ultrapassar essa censura.

"Pensamos que a causa fundamental das alterações climáticas, que não negamos, não é a acumulação de CO2 na atmosfera", afirma Maria Assunção Araújo. "Não pode ser isso porque o CO2 é uma pequeníssima parte dos gases na atmosfera e a maior parte nem é produzido pelos humanos, não há maneira de ter essa influência que se diz", garante.

Questionada pelo DN sobre o facto de apenas terem sido convidados negacionistas do papel antropogénico nas alterações climáticas para participar nesta conferência, que se apresenta como um debate científico, a presidente da organização diz não ter sido ela a fazer os convites. Além disso, acrescenta, "não conheço essas pessoas, não vou convidar quem não conheço". E sublinha: "Não me interessa ter cá alguém a dizer que a causa das alterações climáticas é o CO2, isso não é ciência, é política".

Esta é uma posição comum a muitos dos oradores anunciados. Um dos organizadores e principais oradores, o sueco Nils-Axel Morner, é uma figura controversa que se tem destacado pelas intervenções negacionistas das alterações climáticas. Um crítico do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, Morner também questiona a ideia da subida média do nível dos oceanos.

Outro dos oradores, Piers Corbyn, irmão do líder trabalhista britânico Jeremy Corbyn, considera que a contribuição antropogénica no aquecimento global é "mínima" e que o aumento da temperatura se deve a um aumento da atividade solar. Na apresentação do conferencista, lembra-se mesmo que em 2008 afirmou que o "aquecimento global nunca teve nada a ver com o CO2" e que a temperatura está em queda.

Christopher Monckton, outro nome da lista, é também conselheiro do The Heartland Institute, um think tank norte-americano e conservador que se tem afirmado no combate às evidências científicas que comprovam o aquecimento global.

Na página dedicada aos oradores aparece ainda o geógrafo espanhol Anton Uriarte, "conhecido pela sua posição cética em relação à influência antropogénica no clima".

O Independent Committee on Geoethics (IGC) organizou em 2015 o que designou como uma "contra conferência" à Conferência de Paris das Nações Unidas, que terminou com um consenso global de redução das emissões de gases de efeito de estufa para tentar controlar a subidas das temperaturas.

"Lamentável que a Universidade apoie uma coisa destas"

A decisão da Universidade do Porto em receber a conferência já está a ser muito criticada. Para o bioquímico David Marçal, é "lamentável que a Universidade do Porto apoie uma coisa destas". Autor de vários livros de divulgação científica e esclarecimento sobre pseudociência, Marçal considera que a instituição devia "recuar ou pelo menos divulgar um comunicado a dizer que se demarca da conferência".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.