As joias escondidas de Maria Antonieta que valem milhões vão a leilão

Tiaras, colares, brincos e pendentes, alguns deles avaliados em mais de um milhão de euros, vão ser leiloados esta quarta-feira em Genebra

Só pelo facto de serem vistas num evento público pela primeira vez em 200 anos já seria um acontecimento histórico. Mas o leilão desta quarta-feira de algumas das joias usadas pela última rainha de França, Maria Antonieta, já é considerado como um dos mais importantes de sempre nesta área. Entre as peças que a casa real de Bourbon-Parma pôs à venda e que podem ser licitadas esta quarta-feira em Genebra estão tiaras, colares, brincos e pendentes, alguns deles avaliados em mais de um milhão de euros.

A Shotheby's, responsável pelo leilão, já a considerou uma das coleções de joalharia mais importantes de sempre a aparecer no mercado. "Este extraordinário grupo de joias, nunca visto em público, oferece um cativante olhar sobre as vidas dos seus donos", reforça Daniela Mascetti, da leiloeira. Uma viagem pela história da casa de Bourbon-Parma, ligada a algumas das famílias reais mais importantes da Europa, onde se incluem reis de França, de Espanha e, claro, imperadores da Áustria, de onde descendia Maria Antonieta, filha de Maria Teresa.

Uma coleção de cem peças onde se destaca um pendente de diamantes com uma pérola natural do século XVIII, que pode chegar aos 1,8 milhões de euros.

Alfinetes de peito com pedras preciosas avaliados em 250 mil euros, um conjunto de diamantes e até uma tiara (esta já do século XX e feita para a arquiduquesa Maria Ana da Áustria, princesa de Bourbon-Parma), avaliados em 500 mil euros, são outras das literais jóias da coroa que vão a licitação.

A princesa austríaca Maria Antonieta casou-se com o rei Luís XVI e ficou igualmente famosa tanto pelos seus gostos extravagantes, que contrastavam com a pobreza extrema do povo de França no final do século XVIII, como por ter perdido a cabeça na guilhotina a seguir à Revolução Francesa. Tinha 37 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...