Inédito: Meteorito "apanhado" a cair na Lua durante o último eclipse (vídeo)

Imagens captadas por telescópio em Espanha mostram ponto luminoso causado pelo impacto

Um meteorito caiu na face visível da lua na madrugada da última segunda-feira, durante o eclipse denominado de "Super Lua Vermelha", momento que ficou registado por telescópios que estavam apontados ao satélite da Terra para acompanhar o eclipse. É a primeira vez que é filmada uma colisão durante um eclipse.

O vídeo, que regista o flash no momento em que o meteorito cai na lua, foi divulgado no Twitter por Jose Maria Madiedo, astrónomo da Universidade de Huelva. O impacto foi detetado pelo Sistema de Deteção e Análise de Impactos Lunares (Midas), um projeto conjunto daquela universidade e do Instituto de Astrofísica da Andaluzia, que tinha oito telescópios apontados à lua na noite de domingo para segunda-feira.

O impacto aconteceu às 05.21 horas da madrugada, em Espanha, menos uma hora em Portugal. Segundo escreve Madiedo no twitter, o meteorito desintegrou-se no impacto, provocando o ponto luminoso que se vê na imagem.

Em declarações à revista National Geographic Espanha , Madiedo diz que "o mais provável é que a rocha fosse um fragmento de um cometa e não de um asteroide. Nesse caso, a velocidade média do impacto seria de uns 61 mil quilómetros por hora".

O astrónomo explicou também que o impacto de um meteorito na Lua é muito diferente do que acontece na Terra, onde a atmosfera atua como escudo protetor: ao entrar a grande velocidade na atmosfera o meteorito fica incandescente e desintegra-se. "Na Lua não há atmosfera, não há nada que trave uma rocha que entra em rota de colisão. Uma das características dos impactos a grande velocidade é que se produz um flash durante a colisão", resultado da energia que é libertada, especificou o astrónomo.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.