Depois da dexometasona, nova esperança: raloxifeno pode ajudar doentes assintomáticos

Consórcio da União Europeia diz que raloxifeno pode tratar doentes ligeiros ou assintomáticos

O consórcio Exscalate4CoV, apoiado pela União Europeia (UE), anunciou esta quinta-feira que o raloxifeno, medicamento genérico usado para tratar a osteoporose, pode ser eficaz para doentes ligeiros ou assintomáticos de covid-19, estando a testar este potencial.

"O consórcio Exscalate4CoV, financiado pela UE, anunciou hoje [quinta-feira] que o raloxifeno, um medicamento genérico já registado e utilizado no tratamento da osteoporose, poderá ser um tratamento eficaz para doentes com covid-19 sem sintomas ou que apresentem sintomas moderados", informa o executivo comunitário em comunicado.

Em causa está o Raloxifeno Generis, um medicamento utilizado no tratamento e na prevenção da osteoporose, nomeadamente em mulheres após a menopausa.

A equipa descobriu, então, que "o raloxifeno poderá ser eficaz no bloqueio da replicação do vírus nas células, podendo assim travar a progressão da doença, em especial nos casos de deteção precoce ou assintomáticos".

"Os investigadores indicaram que as suas vantagens incluem a elevada tolerância nos doentes, a segurança e o perfil toxicológico bem conhecido", explica o executivo comunitário.

Este consórcio está agora "a utilizar uma plataforma de supercomputação apoiada pela UE, uma das mais potentes do mundo, para verificar o eventual impacto de moléculas conhecidas na estrutura genómica do novo coronavírus", segundo o executivo comunitário.

Ao todo, o Exscalate4CoV já testou cerca de 400 mil moléculas utilizando os seus supercomputadores e, entre estas análises, "o raloxifeno surgiu como a molécula mais promissora".

O Exscalate4CoV junta 18 parceiros e mais 15 membros associados, tendo financiamento da UE ao abrigo do programa de investigação e inovação da UE Horizonte 2020.

O consórcio junta especialistas em inteligência artificial e computação e do setor farmacêutico, abrangendo centros de inovação em Itália, Espanha e Alemanha, bem como grandes centros de investigação, empresas farmacêuticas e institutos biológicos de toda a Europa.

Antes de avançar para ensaios clínicos, a Agência Europeia de Medicamentos vai avaliar a utilização potencial do raloxifeno e, uma vez aprovado, "o medicamento pode ser rapidamente disponibilizado em grandes quantidades e a baixo custo, ajudando assim a atenuar os efeitos de novas vagas de infeção", adianta a Comissão Europeia.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG