Mais duas mortes e 387 casos. R(t) desce para 0,95 e há mais uma pessoa internada

Há, no total, 297 pessoas internadas, indica o boletim epidemiológico da DGS. Em 24 horas, foram reportadas duas mortes e 387 casos de covid-19.

O relatório diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) indica que Portugal registou, nas últimas 24 horas, 387 novos casos de covid-19. Foram ainda reportadas mais duas mortes devido à infeção por SARS-CoV-2, refere também o boletim epidemiológico desta quarta-feira (5 de maio).

Estão internados 297 doentes com a doença provocada pelo novo coronavírus (mais uma em relação ao dia de ontem), das quais 83 em unidades de cuidados intensivos (menos quatro).

No boletim da DGS foi também atualizado o risco de transmissão, verificando-se uma descida no R(t) para 0,95, tanto a nível nacional como no continente.

O índice de incidência a 14 dias também desce e situa-se agora nos 61,3 casos de infeção por SARS-CoV-2 por 100 mil habitantes em todo o território nacional. Se tivermos em conta apenas o continente, o valor deste indicador é de 59,0 infetados por 100 mil habitantes.

Dois indicadores que são a base da matriz de risco, que serve de base ao Governo para a gestão do plano de desconfinamento.

As duas mortes reportadas em 24 horas ocorreram na região Centro e em Lisboa e Vale do Tejo.

Uma das vítimas mortais tinha mais de 80 anos. Registou-se também um óbito na faixa etária entre os 70 e 79 anos.

O Norte a zona do país que volta a ter o maior número de novos casos de covid-19 (171).

Foram confirmados mais 88 infeções em Lisboa e Vale do Tejo, 59 no Centro, 12 no Alentejo, 14 no Algarve, 20 nos Açores e 23 na Madeira.

Entre ontem e hoje recuperaram mais 513 pessoas, no total são 798 414 os casos de recuperados.

Desde o início da pandemia, Portugal já confirmou 838 102 diagnósticos de covid-19 e 16 983 óbitos-

Perante estes dados atualizados, há agora 22 705 casos ativos da doença em Portugal (menos 128 face ao dia anterior).

DGS indica também no relatório de hoje que há menos 833 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde, existindo, no total, 22 723.

Também esta quarta-feira, o especialista da Comissão Técnica de Vacinação Contra a Covid-19, Luís Graça, admitiu que a percentagem de 70% para se conseguir a imunidade de grupo pode ser revista, de acordo com as incertezas sobre a doença.

Algumas vacinas compradas por Portugal podiam já não ser usadas. São mais do que as pessoas elegíveis

"A percentagem estimada em 70% [para atingir a imunidade de grupo] tem por base a transmissão do vírus e extrapolações com base no conhecimento de outras infeções virais e de outras estratégias de vacinação", afirmou Luís Graça, sublinhando que tal cálculo "depende de vários parâmetros". As declarações foram proferidas durante a audição da Comissão Técnica de Vacinação Contra a Covid-19 na Comissão Parlamentar de Saúde, que decorreu hoje de manhã.

Na mesma Comissão Parlamentar, o coordenador da Comissão Técnica de Vacinação Contra a covid-19 disse que, mesmo sem as restrições de idade relativas às vacinas da AstraZeneca e da Janssen, já haveria algumas vacinas que podiam não ser usadas, uma vez que são mais do que as pessoas elegíveis.

Limite de 7500 pessoas nas celebrações da peregrinação de maio ao Santuário de Fátima

Nesta quarta-feira foi conhecido o número limite de pessoas que o Santuário de Fátima vai receber na peregrinação de maio.

As celebrações de 12 e 13 de maio no Santuário de Fátima vão ter um limite de 7500 pessoas, anunciou a instituição, que considera que a pandemia "ainda não oferece garantias" para acolher "sem reservas" todos os fiéis.

Numa informação disponibilizada no seu sítio na internet, o santuário refere que a peregrinação internacional aniversária de maio, presidida pelo cardeal José Tolentino de Mendonça, "volta a ser celebrada com peregrinos no recinto de oração, mas de forma ainda restrita, isto é, apenas poderão estar nas celebrações 7500 peregrinos".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG