Menos internados em dia com mais de três mil recuperados

Foram registados, em 24 horas, mais 1908 casos de covid-19 e 3389 recuperados. Há ainda menos 28 doentes internados, segundo o boletim diário da DGS.

Boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) indica que Portugal registou, nas últimas 24 horas, 1908 novos casos de covid-19. Relatório desta terça-feira (31 de agosto) refere que morreram mais 13 pessoas devido à infeção por SARS-CoV-2.

Os dados sobre a situação nos hospitais portugueses mostram que há uma diminuição no número de internados, que são agora 677 (menos 28 face ao reportado na segunda-feira). Há também menos 13 doentes em unidades de cuidados intensivos, totalizando 136.

Foram registados mais 3389 pessoas que recuperaram da doença e existem agora 44 087 casos ativos de covid-19 (menos 1494).

O Norte continua a registar o valor mais elevado de novas infeções (744), tendo reportado mais duas mortes. Com 619 novos casos, Lisboa e Vale do Tejo é a região onde ocorreu o maior número diário óbitos (sete).

Confirmam-se ainda mais 292 infeções no Centro, 141 no Algarve (e três mortes), 82 no Alentejo, 21 na Madeira e nove nos Açores, onde se verifica mais uma morte associada à infeção por SARS-CoV-2.

No que diz respeito à idade das vítimas mortais, sete tinham mais de 80 anos, quatro tinham entre os 70 e os 79 anos, tendo ocorrido ainda um óbito na faixa etária entre os 60 e os 69 anos e uma morte no grupo entre os 50 e os 59 anos.

Relatório diário refere também que há menos 397 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde.

Com esta atualização, Portugal soma, desde o início da pandemia, mais de um milhão de diagnósticos da doença (1 037 927), 17 743 óbitos e 976 097 recuperados.

Números divulgados pela DGS no dia em que a task force de vacinação anunciou que 75% dos jovens entre os 12 e os 17 anos foram vacinados com a primeira dose da vacina contra a covid-19.

no passado fim de semana foram vacinados cerca de 86 mil jovens deste grupo etário, revela a estrutura liderada pelo vice-almirante Henrique Gouveia e Melo.

O balanço da percentagem de vacinados entre os 12 e os 17 anos (cerca de 75%)​​​​ surge após três fins de semana de vacinação desta faixa etária.

Em comunicado a task force para a vacinação contra a covid-19 explica que na modalidade "Casa Aberta", todos os utentes podem vacinar-se em qualquer centro de vacinação de Portugal Continental à sua escolha, recorrendo ao sistema de senha digital.

70% da população adulta da UE com a vacinação completa. Uma "grande conquista"

Os utentes podem ainda comparecer nos centros de vacinação, independentemente da respetiva situação no processo de auto agendamento. É ainda possível escolher um ponto de vacinação distinto para tomar a segunda dose que deve ser solicitado aquando da toma da primeira dose.

Também nesta terça-feira, a presidente da Comissão Europeia fez saber que 70% da população adulta da UE tem a vacinação completa. "São mais de 250 milhões que já estão imunizados", indica Ursula von der Leyen fala numa "grande conquista".

Mas a presidente do executivo comunitário quer ver mais cidadãos da UE vacinados e faz novamente um apelo à vacinação contra a covid-19. "Também temos de ajudar o resto do mundo a vacinar-se", destacou na mensagem que publicou no Twitter, sublinhando que a "pandemia não acabou".

Pandemia reduziu natalidade, especialmente em Portugal, Espanha e Itália

O mundo enfrenta a infeção por SARS-CoV-2 há mais de um ano e os efeitos são visíveis em vários aspetos da sociedade. Dados preliminares de um estudo indicam que a pandemia diminuiu a taxa de natalidade nos países de alto rendimento. Existem declínios acentuados no sul da Europa, nomeadamente em Itália (-9,1%), Espanha (-8,4%) e Portugal (-6,6%).

Esta é a principal conclusão do estudo conduzido pela Universidade Bocconi de Itália e publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, utilizando modelos numéricos e analisando dados de 22 países.

As pandemias são um motor fundamental das mudanças nas populações humanas, afetando tanto a mortalidade como as taxas de natalidade.

Os dados do estudo mostram que a pandemia foi acompanhada por um declínio significativo nas taxas de natalidade bruta para além do previsto pelas tendências do passado em sete dos 22 países considerados.

Acompanhe aqui as notícias sobre a pandemia e o processo de vacinação

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG