Polícia vai investigar ataque radical a restaurante de Avillez

O chef decidiu não apresentar queixa mas a PSP vai investigar o ato de vandalismo de um alegado movimento anti-Israel ao seu restaurante. PJ e SIS estão atentos ao ataque

O ataque com tinta vermelha à fachada do restaurante Cantinho do Avillez, no Porto, na sexta-feira, terá sido feito por alegados ativistas pró-palestinianos do movimento global BDS (Boicote-Desinvestimento-Sanções), segundo o jornal israelita The Times of Israel. Dado o suposto contexto político do ato de protesto, a PSP vai investigar o caso e tentar identificar os autores, apesar de José Avillez ter declarado ontem ao DN que não ia apresentar queixa. Segundo fonte policial, a questão é que o vandalismo assume aqui contorno de crime público dado o contexto extremista político do protesto. Se o Ministério Público entender, a investigação do caso até passa para a Polícia Judiciária. A mesma fonte acrescentou que a PJ e o SIS já estarão atentos ao ataque e aos seus eventuais autores.

O dono do espaço, o chef José Avillez - criticado pelo movimento por ter ido a Telavive participar num festival gastronómico - desvalorizou o ato e nem vai apresentar queixa. "Chamar vandalismo ao que fizeram, que foi pintar umas paredes e colar uns papéis, é excessivo. Não fiz nenhuma queixa formal à PSP do Porto nem vou fazer", declarou o chef ao DN, ontem, à chegada a Portugal.

A fachada do restaurante foi pintada com tinta vermelha na sexta feira e nela foram colados papéis nos quais, segundo notícias publicadas ontem, se podiam ler frases como "Liberdade para a Palestina", "Avillez colabora com a ocupação sionista" e "Entrada: uma dose de fósforo branco". Avillez não assistiu a nada pois ainda se encontrava em Israel, mas adiantou que a PSP foi ao restaurante logo a seguir ao ataque registar a ocorrência e identificar alguns dos empregados do chef que se encontravam presentes. "Quando a viagem foi marcada recebemos alguns e-mails de ativistas a desincentivarem a minha participação", adiantou o chef, garantindo que "não houve ameaças nesses apelos".

O festival Round Tables, em Telavive, que decorre de 6 a 26 de novembro, convidou 13 cozinheiros mundiais de topo, para liderarem a cozinha - cada um deles, durante uma semana - de um restaurante israelita. O evento é patrocinado pelo American Express.

José Avillez encara o que aconteceu no seu restaurante do Porto como um "acidente de percurso" e lembra que não está ligado a qualquer apoio político a Israel. "Se o encontro gastronómico fosse na Palestina iria também. A cozinha israelo-palestiniana interessa-me muito. Da política não percebo. Como dizia o outro, eu é mais bolos!".

A 10 de novembro, antes de o chef ter partido para Israel, um conjunto de associações e grupos portugueses ligados ao movimento internacional BDS publicou um abaixo assinado intitulado: "Chefs de cozinha internacionais, entre os quais José Avillez, patrocinados pelo negócio ilegal dos colonatos israelitas". No abaixo-assinado seguia-se um apelo dos ativistas "ao chef de cozinha português José Avillez, dono do restaurante Belcanto em Lisboa, para que este cancelasse a sua participação no evento de culinária em Telavive intitulado Round Tables".

O apelo insere-se num protesto internacional que juntou mais de 140 organizações de direitos humanos contra a participação no evento de restaurantes gourmet, entre os quais L"Ami Jean em Paris e o Musket Room em Nova Iorque.

José Falcão apoia os ativistas

A organização SOS Racismo foi uma das signatárias. O rosto desta associação, José Falcão, garantiu ao DN que não participaram no ato de vandalismo à fachada do Cantinho do Avillez, no Porto, "mas o que esses ativistas possam ter feito é nada comparado com o que está a ser feito por Israel nos colonatos".

José Falcão considera ainda que "a participação dos chefs no evento foi muito triste porque o regime israelita tem desrespeitado todas as recomendações da ONU em relação à ocupação dos colonatos".

Confrontado com a desvalorização de Avillez em relação ao ataque, José Falcão comentou: "Acho bem que não apresente queixa. Afinal, eles tomaram uma atitude face a um ato que é muito pior".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.