Cientistas detetam os traços de oxigénio mais distantes do Universo

Investigadores identificaram o mesmo ar que respiramos na Terra numa galáxia a 13,28 mil milhões de anos-luz de distância do nosso planeta

Astrónomos detetaram os traços de oxigénio mais distantes do Universo, numa galáxia a 13,28 mil milhões de anos-luz de distância da Terra e quando o Universo ainda 'dava os primeiros passos', foi divulgado.

As observações foram feitas com o ALMA, um radiotelescópio operado no Chile pelo Observatório Europeu do Sul, organização astronómica da qual Portugal faz parte.

A descoberta da assinatura de oxigénio, elemento essencial para a vida tal como se conhece, na jovem galáxia MACS1149-JD1 sugere, segundo os cientistas, que os ambientes ricos em elementos químicos evoluíram rapidamente.

O Universo tem uma idade estimada em 14 mil milhões de anos.

A galáxia foi observada com o ALMA quando o Universo tinha 500 milhões de anos, o que significa, de acordo com uma nota do Observatório Nacional de Radioastronomia dos Estados Unidos, que a MACS1149-JD1 começou a formar estrelas ainda mais cedo, 250 milhões de anos depois do 'Big Bang', um 'fogo-de-artifício' de partículas que marca o início do Universo.

Uma equipa de astrónomos de instituições dos Estados Unidos, Reino Unido e Japão reconstruiu a história da formação de estrelas na galáxia utilizando dados obtidos na luz infravermelha (invisível) com os telescópios espaciais Hubble e Spitzer, ambos operados pela agência espacial norte-americana NASA.

Os resultados do trabalho são publicados hoje na revista científica Nature.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).