Assalto à bomba em multibanco de prédio de ministros

O polícia que deveria vigiar o local ter-se-á ausentado

A caixa multibanco situada no prédio onde residem os ministros da Administração Interna e do Mar, Eduardo Cabrita e Ana Paula Vitorino, respetivamente, foi assaltada na madrugada de segunda-feira com recurso a explosivos. O agente da PSP que deveria vigiar o local ter-se-á ausentado e foi-lhe instaurado um processo disciplinar, avança hoje o Correio da Manhã.

O assalto ao multibanco daquele prédio, situado na estrada da Luz, em Lisboa, é o 152.º do ano. Um carro escuro parou em frente à agência do BPI onde moram Eduardo cabrita e Ana Paula Vitorino e partiu o vidro com uma marreta, descreve o jornal. Depois, os dois assaltantes causaram uma explosão, tendo saído, de acordo com um vizinho citado pelo CM, com as malas metálicas com o dinheiro.

O agente que deveria vigiar o local está a ser alvo de um processo disciplinar. Alega que estava a fazer a ronda nas traseiras, mas a PSP acredita que este se ausentou, diz o CM.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.