Exclusivo "Há pessoas, desde as negacionistas às que estão muito revoltadas, que acabam por se fechar e desiludir"

Manter a esperança e ser exemplo de amor e integridade são algumas das chaves para ultrapassar 2021 e a situação de pandemia, segundo o presidente da Aliança Evangélica Portuguesa. Neste último ano, os evangélicos adotaram as novas tecnologias para comunicar com os fiéis e, embora tenham perdido alguns, houve "nascimentos dentro da comunidade".

Qual é a mensagem da Igreja Evangélica para 2021?
Neste ano queremos continuar a afirmar que o mais importante é termos como referência uma pessoa, que é a pessoa de Jesus Cristo. Queremos ser reconhecidos tal como os crentes, os cristãos. É isto que nós queremos, que o nosso viver seja mais reconhecido, não tanto pelos ritos, e por hábitos, mas por pessoas que seguem o exemplo de Cristo. Ou seja, que olham para Cristo como seu modelo de vida. Não temos de fazer o mesmo que ele, mas nas nossas diferentes profissões sermos exemplos de amor, de integridade e, por vezes, de denúncia daquilo que está mal na nossa sociedade, seja a corrupção, seja a mentira, seja o favorecimento ilícito, seja muita outra coisa que anda por aí... o tratar mal os pobres, o tratar mal os imigrantes que procuram solução para as suas vidas na nossa terra. Ter braços de acolhimento é uma mensagem cristã muito importante, que tantas vezes é esquecida. E nós entendemos que não nos pode distinguir a cor da pele, ou a nossa cultura, ou outra coisa qualquer, mas realmente recebermos porque somos criaturas que temos o espírito de Deus em nós, somos humanos, somos pessoas, e temos de olhar para um outro, aquele que está à nossa volta, ao nosso redor, como um irmão, e para o ajudar nas suas dificuldades.

Como têm chegado às pessoas nestes tempos de confinamento?
Acreditamos que a Igreja, acima de tudo, são relacionamentos. E nós temos percebido que através desta mudança que houve com os meios telemáticos - através da internet, do YouTube, do Zoom e de outras maneiras de comunicar - tem havido pessoas que entram em contacto connosco porque viram algo, porque chegaram até nós através desses meios e assistiram a algum culto que foi transmitido. Por outro lado, temos tido também a oportunidade de publicitar aquilo que fazemos, seja através das várias redes sociais, convidando amigos e conhecidos, porque fica tudo gravado no YouTube ou noutros meios. As pessoas podem ver a horas mais convenientes e não naquela hora fixa em que normalmente fazemos os cultos. Isso tem acontecido, pessoas que têm chegado até nós e ficado connosco. Ainda agora tivemos o exemplo de um casal jovem que chegou até nós através da internet.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG