Famílias de Cinfães, Trancoso e Oliveira de Azeméis destroçadas por acidente em França

Doze portugueses morreram na quinta-feira à noite, num acidente de viação em França. Condutor de 19 anos sobreviveu

Vinham da Suíça para passar a Páscoa em Portugal, mas a viagem acabou tragicamente em Allier, no centro de França. A carrinha em que viajavam chocou de frente com um camião e os doze passageiros, todos portugueses imigrados na região de Lausanne, morreram no local. O condutor era um jovem português de 19 anos, que sobreviveu, e foi levado para o hospital em estado de choque.

Entre as 12 vítimas está uma família de Cinfães do Douro - um casal e a filha de sete anos - e ainda um homem de 34 anos do mesmo concelho. Há ainda três vítimas de uma aldeia perto de Trancoso, chamada Palhais, revelou o presidente da câmara de Trancoso. Pelo menos duas eram de Fajões, em Oliveira de Azeméis.

O autarca de Trancoso disse ainda, em declarações à SIC, que a carrinha em que viajavam os portugueses pertencia a um empresário de Palhais, tio do jovem condutor da carrinha, de 19 anos, o único sobrevivente.

Armando Mourisco, presidente da Câmara de Cinfães, confirmou que entre as vítimas estão quatro pessoas naturais do seu concelho. "Uma família de um pai com 39 anos, esposa com 28 e filha de 7 que faleceram e são naturais da freguesia de Espadanedo. E há também um jovem com 34 anos, da freguesia de Travanca", disse o autarca, acrescentando que "foram duas as famílias [do concelho de Cinfães] afetadas por esta tragédia". O homem de 34 anos, segundo o JN, deixa uma mulher e um filho de 3 anos.

Outras das vítimas era natural de Fajões, em Oliveira de Azeméis. "Tinha por volta de 48 anos, estava na Suíça há cerca de seis, sete anos, e a família desse senhor mora em Portugal", disse à Lusa Fernando Rocha, português que mora há 12 anos em Romont, comunidade do cantão de Friburgo, na Suíça. Fernando Rocha afirmou ainda que mais uma vítima, um outro homem, também era de Oliveira de Azeméis, de Macieira de Sarnes, mas "não o conhecia tão proximamente".

Há ainda uma vítima de Arouca.

O acidente com a carrinha Mercedes Sprinter aconteceu poucos minutos antes da meia-noite. As vítimas morreram na sequência um choque frontal entre a carrinha em que seguiam e um veículo pesado - a carrinha desviou-se para a faixa contrária e colidiu de frente com o camião. O condutor da carrinha e os dois italianos que seguiram no camião sobreviveram, mas ficaram feridos, escreve a AFP.

A procuradoria de Moulins já abriu um inquérito para averiguar as circunstâncias do acidente. Segundo Luís Babiano, presidente da associação Dompierre Portugal, é uma estrada onde há muitos acidentes. "A estrada só tem uma via. Uma pessoa fecha os olhos e está logo na via da esquerda e foi o que aconteceu neste acidente. É um problema do Estado, não há dinheiro para fazer duas vias", declarou o dirigente associativo local.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.