Estudo israelita avalia eficácia da vacina da Pfizer em 94%

O estudo foi conduzido usando dados de cerca de 1,2 milhão de pessoas tratadas por uma das maiores organizações de saúde de Israel (Clalit Health Services)

A vacina da Pfizer é 94% eficaz contra os casos sintomáticos de covid-19, segundo um estudo realizado em Israel e publicado esta quarta-feira, confirmando dados de testes clínicos e o papel crucial das campanhas de vacinação para o fim da pandemia.

"Esta é a primeira prova validada por pares da eficácia de uma vacina em condições do mundo real", disse à France Press Ben Reis, um dos co-autores do estudo publicado esta quarta-feira, no New England Journal of Medicine.

Até o momento, a eficácia da vacina foi comprovada por ensaios clínicos realizados em milhares de pessoas, mas não em condições reais, que envolvem uma maior variedade de pessoas e comportamentos ou mesmo desafios logísticos, como a manutenção da rede de frio.

O estudo foi conduzido usando dados de cerca de 1,2 milhão de pessoas tratadas por uma das maiores organizações de saúde de Israel (Clalit Health Services), entre 20 de dezembro de 2020 e 01 de fevereiro de 2021.

Na altura a variante britânica estava a circular amplamente no país , tornando esses resultados ainda mais interessantes.

Quase 600.000 pessoas que receberam a vacina foram "associadas" com muito rigor a cerca de 600.000 outras que não receberam a injeção, e apresentando características muito semelhantes em termos de sexo, idade, mas também comorbidades e localização.

Ao comparar os dois grupos, os autores mostram que a vacinação reduziu os casos sintomáticos de covid-19 em 94%, os casos graves da doença em 92% e as hospitalizações em 87%.

Essas taxas aplicam-se à proteção obtida pelo menos sete dias após a segunda injeção.

Mas "um efeito bastante significativo foi observado mesmo antes da segunda dose", observou à France Press Noam Barda, um dos dois principais autores do estudo, com uma eficácia de 57% para os casos de covid-19 com sintomas e 62% para os casos graves.

A vacina também foi 72% eficaz na prevenção de mortes por covid-19 após a primeira dose, mas seu baixo número neste estudo torna este resultado menos confiável.

A eficácia foi relativamente consistente para todas as faixas etárias, "incluindo pessoas com mais de 70 anos", disse Ben Reis. Por outro lado, "temos indicações de que para pessoas com muitas doenças (anteriores), a vacina funciona um pouco menos bem."

Além disso, o estudo relata uma eficácia de 92% contra a própria possibilidade de ser infetado (e não apenas de desenvolver sintomas). Esse é um dado crucial, pois, se confirmado, pode indicar que as pessoas vacinadas não podem mais transmitir o vírus. Mas esse resultado deve ser visto com cautela, como os próprios autores admitem.

"É encorajador, mas ao mesmo tempo este estudo não pode garantir que detetamos todas as infeções assintomáticas", alertou Noam Barda.

Para isso, seria necessário que todos os participantes fossem testados com muita regularidade, de forma proativa, o que não era o caso aqui. Outro estudo da Clalit nesse sentido está já em andamento.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG