OMS pede a países que aumentem estado de prontidão face a ameaça da variante Ómicron

Leia aqui as principais notícias desta segunda-feira sobre a pandemia.

DN
© EPA/WAEL HAMZEH

Surto com 27 infetados no município e serviços municipalizados de Torres Vedras

Um surto de covid-19 regista 27 casos de infeção entre trabalhadores da Câmara Municipal e Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Torres Vedras, disse hoje a presidente da autarquia.

Na sessão de hoje da Assembleia Municipal, Laura Rodrigues afirmou que existem 28 casos ativos associados ao surto, dos quais 27 estão ativos e um recuperou.

"Não é uma situação grave", referiu a autarca, acrescentando que estão a ser implementadas medias como a testagem dos trabalhadores em intervalos de cinco dias e o reforço da sensibilização dos funcionários para a adoção de comportamentos adequados.

Lusa

Presidente chinês promete um bilião de doses de vacinas anticovid à África

O presidente chinês, Xi Jinping, prometeu nesta segunda-feira (29) um bilião de doses da vacina anticovid para África, em forma de doações ou de apoio à produção local.

"No âmbito do combate à covid, a China vai fornecer a África um bilião de doses de vacinas adicionais, das quais 600 milhões serão em forma de doações e 400 milhões em outras formas, como a criação de unidades de produção de vacinas", disse num discurso em vídeo no Fórum de Cooperação China-África (FOCAC).

A conferência ocorre num contexto em que os países africanos tentam reativar as suas economias, duramente afetadas pela pandemia. Para o conseguir, procuram reforçar a cooperação com a China, primeiro aliado comercial do continente.

África está muito atrasada na vacinação de sua população contra a covid-19.

Segundo o vice-ministro do Comércio chinês, Ren Hongbin, a China já tinha entregado mais de 160 milhões de doses de vacinas à África, grande parte delas na forma de doações.

"Temos que continuar a luta solidária contra a covid. Devemos priorizar a proteção das nossas populações e acabar com as brechas da vacinação", disse o presidente chinês.

AFP

OMS apela a união mundial para melhor combater futuras pandemias

A Organização Mundial de Saúde (OMS) apelou hoje à união da comunidade internacional para tentar reforçar a sua capacidade de combater a próxima pandemia, e assim evitar o caos que a covid-19 criou.

"Tudo isto se reproduzirá a menos que vocês, as nações do mundo, se unam para dizer a uma só voz: nunca mais", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, na abertura de uma reunião extraordinária da Assembleia Mundial da Saúde - o órgão supremo de tomada de decisões da OMS, que junta os seus 194 membros.

Num artigo publicado no domingo no "Project Syndicate" (publicação online de artigos de opinião), o responsável já tinha apelado aos países para tomarem medidas para lidar com futuras epidemias, "cooperando e colaborando" e evitando o "caos e confusão que exacerbaram" a atual pandemia.

Lusa

Junta da Misericória lamenta fecho de centros de vacinação em Lisboa

A Junta de Freguesia da Misericórdia, em Lisboa, lamentou hoje o encerramento do centro de vacinação contra a covid-19 do Picadeiro e que as juntas de freguesia da capital não tenham sido ouvidas nessa decisão.

Em declarações à agência Lusa, a presidente da Junta de Freguesia da Misericórdia, a socialista Carla Madeira, começou por dizer que "existia uma política de descentralização, com vários postos espalhados pela cidade, que permitiam alguma proximidade com a população".

"Infelizmente, foi tomada a decisão unilateral de encerrar os centros", lamentou a autarca, acrescentado ter sido apanhada de surpresa.

"De repente, fomos confrontados com a decisão de se encerrar os centros. Ajudávamos a população e, de um momento para o outro, recebemos o anúncio. Primeiro pela comunicação social, depois por uma mensagem dos serviços sociais da câmara. Ficámos triste e preocupados porque era um serviço de proximidade importante", afirmou.

Contudo, Carla Madeira frisou que a Junta de Freguesia vai continuar a "ajudar a população".

Numa mensagem publicada na sua página oficial na rede social Facebook, aquela autarquia indicou que "não se revê na decisão tomada e lamenta que a Câmara Municipal de Lisboa não tenha articulado esta decisão com as juntas de freguesia, que, desde o início do processo de vacinação, têm estado nos centros de vacinação, assegurando o seu bom funcionamento e o acompanhamento de proximidade aos cidadãos".

Lusa

Tribunal nos EUA impede vacinação obrigatória de profissionais de saúde

Um juíz federal norte-americano impediu hoje a administração do Presidente Joe Biden de impor a vacinação obrigatória contra a covid-19 a milhares de profissionais de saúde nos dez Estados que reclamaram da decisão.

Segundo a ordem judicial, os centros federais da Medicare e Medicaid não possuem uma "autoridade clara" por parte do Congresso para decretar a vacinação obrigatória a prestadores de serviços que participam nos dois programas governamentais de saúde, noticia a agência AP.

Lusa

OMS pede a países que aumentem estado de prontidão contra variante Ómicron

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomendou hoje aos seus estados-membros ações prioritárias que aumentem o nível de prontidão na resposta à nova variante do coronavírus SARS-CoV-2, Ómicron, como alertas precoces e planos de mitigação nos sistemas de saúde.

Num comunicado hoje divulgado, a OMS pede que os países garantam que têm ao dispor sistemas de alerta precoce e planos de mitigação que mantenham os serviços de saúde essenciais a funcionar por forma a responder a potenciais surtos.

Pede ainda aos Estados que comuniquem regularmente informação científica sobre a Ómicron e outras variantes em circulação do coronavírus que provoca a doença covid-19.

A OMS alerta que "o risco geral associado à Ómicron é considerado muito alto por um conjunto de razões", entre as quais o facto de o risco global associado à covid-19 se manter de forma genericamente muito elevado e os "preocupantes", ainda que preliminares, dados científicos apontarem para que a variante escape à imunidade já atingida e tenha um nível de transmissibilidade mais elevado.

Estas condições podem "conduzir a surtos futuros com consequências severas", refere a OMS, ainda que ressalve que esta avaliação científica ainda se reveste de "considerável incerteza" e que a informação vai continuar a ser atualizada.

Lusa

Joe Biden diz que não há "motivo para pânico" com a variante Ómicron

O Presidente dos EUA, Joe Biden, disse esta segunda-feira que "não há motivo para pânico" com a disseminação da variante Ómicron do coronavírus e pediu aos norte-americanos para serem vacinados ou receberem a dose de reforço.

"Há motivo para preocupação, com esta nova variante, mas não para pânico", disse Biden, num discurso a partir da Casa Branca, onde repetiu os argumentos hoje apresentados pelo seu conselheiro para a Saúde, Anthony Fauci.

Com a aproximação das festividades de fim de ano, o Presidente pediu aos norte-americanos que se vacinem e vacinem os seus filhos ou, se for o caso, recebam as doses de reforço.

Biden adiantou que, "mais cedo ou mais tarde", a nova variante também iria aparecer nos Estados Unidos, mas não anunciou nenhuma medida adicional de contenção da pandemia, nem novas restrições nas entradas nas fronteiras ou nas viagens dentro dos Estados Unidos, para além do já definido encerramento de fronteiras para viajantes oriundos da África Austral.

Questionado sobre uma possível obrigação de vacina ou de realização de testes para voos domésticos nos Estados Unidos, o Presidente disse que essa medida não seria aplicada por não haver qualquer recomendação científica nesse sentido.

(com Lusa)

Ómicron: comunidade madeirense na África do Sul "serena" e "expectante"

A comunidade madeirense na África do Sul está "serena" e "expectante" depois da suspensão dos voos para a Europa, informou esta segunda-feira a direção regional das Comunidades e Cooperação Externa da Madeira.

"Madeirenses na África do Sul serenos, mas expectantes", diz a nota divulgada por este departamento do executivo regional tutelado por Rui Abreu, que tem estado em contacto com aquela comunidade.

Os voos da África do Sul para a Europa foram suspensos depois do "alerta" para a nova variante do covid-19 detetado naquele país, a Ómicron.

"Para comunidade madeirense residente na África do Sul, apesar de alguns constrangimentos, a vida segue com a normalidade possível dentro do contexto pandémico", sublinha o Governo Regional na mesma nota.

Citado no documento, Rui Abreu enfatiza que "inacreditavelmente, e apesar de a comunidade ter uma grande dimensão, ultrapassando os 400 mil madeirenses residentes em terras sul-africanas, Portugal não tem voos diretos para a África do Sul há já 12 anos".

(com Lusa)

Estados Unidos estão em estado de alerta avançado por causa de Ómicron

Os EUA estão em "estado de alerta avançado" devido à variante Ómicron do coronavírus, anunciou hoje o conselheiro de Saúde da Casa Branca, Anthony Fauci, pedindo aos norte-americanos para receberem a dose de reforço da vacina.

Os Estados Unidos ainda não têm casos confirmados da variante Ómicron, que tem levado vários países a criar constrangimentos nas fronteiras, mas as declarações de Fauci acontecem um dia após a identificação dos primeiros dois casos no Canadá, um país vizinho.

"Obviamente, estamos em alerta preventivo", explicou o conselheiro da Casa Branca, durante uma entrevista televisiva, acrescentando que está a aguardar mais dados dos especialistas sobre a nova variante, para compreender o grau de perigosidade da Ómicron.

Fauci pediu às pessoas elegíveis para receberem a dose de reforço das vacinas contra a covid-19, sem aguardarem pelo desenvolvimento de uma vacina específica para a Ómicron, "da qual poderemos vir a precisar".

Algumas empresas farmacêuticas já anunciaram que vão ajustar as suas vacinas contra a covid-19 para melhor atacar a variante Ómicron, mas Fauci insiste que as atuais fórmulas têm revelado a sua eficácia de grande espetro.

"O que sabemos é que as pessoas vacinadas estão muito mais seguras do que as não vacinadas, especialmente quando recebem a dose de reforço", explicou Fauci.

"É inevitável que mais cedo ou mais tarde (a variante Ómicron) se dissemine", porque parece ser muito contagiosa, concluiu o imunologista.

Reino Unido acelera terceira dose de vacinas para travar Ómicron

O Reino Unido confirmou hoje que vai acelerar o programa de vacinas de reforço contra a covid-19 para todos os adultos e reduzir o intervalo para três meses após a segunda dose na sequência da descoberta da variante Ómicron.

O ministro da Saúde, Sajid Javid, defendeu que estas medidas "vão proteger mais pessoas mais rapidamente", mesmo reconhecendo que a decisão representa um desafio logístico porque vai aumentar para quase o dobro o número de pessoas elegíveis para a dose de reforço.

"As nossas vacinas continuam a ser a nossa melhor linha de defesa contra este vírus (...). Embora seja possível que sejam menos eficazes [contra a nova variante], é muito improvável que não tenham qualquer efeito contra sintomas graves", sublinhou, numa intervenção no Parlamento.

O Reino Unido já identificou 11 casos de infeção com a variante Ómicron, seis dos quais na Escócia, e Javid disse prever que o número continue a aumentar nos próximos dias.

A decisão segue as orientações do órgão independente que aconselha o Governo britânico sobre a administração de vacinas, o Comité Conjunto de Vacinação e Imunização (JCVI), que sugere o uso de vacinas Pfizer e Moderna.

Portugal não tem novos casos da variante Ómicron em investigação, garante especialista

O investigador do Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA), João Paulo Gomes, assegurou hoje que neste momento não existe em Portugal nenhum novo caso em investigação suspeito da se tratar da nova variante Ómicron do coronavírus SARS-CoV-2.

O microbiologista disse à Lusa que os 13 casos da variante Ómicron até agora identificados em Portugal foram apontados como suspeitos pelas autoridades de saúde e por indicação da Direção-Geral de Saúde as amostras foram encaminhadas para o Instituto Ricardo Jorge.

O diagnóstico foi feito num laboratório de referência que efetuou os testes preliminares, que têm "um elevadíssimo valor preditivo e que consistem essencialmente na identificação de grupos de mutações que no seu conjunto só podem estar presentes se se tratar da variante Ómicron", adiantou João Paulo Gomes.

"As amostras estão agora a ser sequenciadas para uma confirmação final, mas em princípio a suspeita confirmar-se-á", sublinhou o coordenador do estudo sobre a diversidade genética do novo coronavírus em Portugal,

Passageiros dos Açores e Madeira com destino ao continente dispensados de teste negativo

Os passageiros provenientes dos Açores e da Madeira com destino ao continente português estão dispensados de apresentar teste negativo à covid-19 para embarcar a partir de quarta-feira, esclareceu hoje à Lusa fonte da Presidência do Conselho de Ministros.

Na quinta-feira passada, no anúncio das novas medidas definidas em Conselho de Ministros, o chefe do executivo, António Costa, referiu que, a partir de 01 de dezembro, "os testes passam a ser obrigatórios para qualquer entrada em território nacional, seja qual for o ponto de origem e seja qual for a nacionalidade do passageiro".

Posteriormente, o Governo divulgou o comunicado com as decisões da reunião, especificando que a exigência do teste negativo é relativa a "todos os voos com destino a Portugal continental", o que excluiria as regiões autónomas dos Açores e da Madeira.

Trinta e três casos da variante Ómicron detetados na Europa

Um total de 33 casos da variante Ómicron do SARS-CoV-2, considerada de preocupação, foram até agora detetados na União Europeia e Espaço Económico Europeu (UE/EEE), segundo dados hoje divulgados pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC).

Numa atualização epidemiológica publicada ao início da tarde, que tem por base dados facultados ao ECDC pelos Estados-membros da UE/EEE até às 12:30 (hora de Bruxelas, menos uma em Portugal), um total de "33 casos confirmados da variante de preocupação Ómicron foram comunicados por oito países".

Além de Portugal, a nova variante do coronavírus SARS-CoV-2, que provoca a doença covid-19, foi detetada na Áustria, Bélgica, República Checa, Dinamarca, Alemanha, Itália e Holanda, adianta o ECDC, que cita "informações de fontes públicas", como autoridades de saúde.

O centro europeu explica que "todos os casos confirmados têm um historial de viagens para países africanos, tendo alguns efetuado voos de ligação para outros destinos entre África e a Europa".

Acresce que "todos os casos para os quais existe informação disponível sobre gravidade foram assintomáticos ou ligeiros", não tendo sido ainda comunicados até à data "casos graves nem mortes entre estes casos", assinala esta agência europeia.

O ECDC conclui que existem ainda "vários [outros] casos prováveis de toda a região, mas estes estão ainda a ser investigados".

Mais 1.635 casos, 13 mortes e 45 novos internamentos em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 1.635 casos confirmados de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2 e 13 mortes atribuídas à covid-19, bem como mais 45 pessoas internadas com a doença, segundo a Direção-Geral da Saúde.

Ao dia de hoje estão internadas 809 pessoas com covid-19, 111 das quais em unidades de cuidados intensivos, onde entraram mais sete pessoas nas últimas 24 horas.

A maior parte dos novos casos (575) foi diagnosticada na zona Norte, seguindo-se Lisboa e vale do Tejo (490 casos) e zona Centro (284).

Investigador do INSA apela à calma em relação à nova variante Ómicron

O investigador do INSA João Paulo Gomes apelou esta segunda-feira à calma em relação à nova variante Ómicron do coronavírus, afirmando que são precisos dados consistentes para se tirar uma "conclusão mais séria" sobre o seu impacto.

"A comunidade científica tem gerado resultados muito importantes a nível de influenciar a decisão em termos de saúde pública e decisão dos vários governos e isso tem corrido naturalmente bem e acho que é assim que deve ser", afirmou o investigador do Instituto Nacional Dr. Ricardo Jorge (INSA), em declarações à Lusa a propósito do aparecimento de 13 casos em Portugal desta nova variante do SARS-CoV 2.

Segundo o microbiologista, a população não deve "entrar em pânico" com a nova variante do coronavírus SARS-CoV-2 detetada na África do Sul.

Disse esperar que dentro de duas/três semanas os grandes laboratórios farmacêuticos e instituições que estão envolvidos nos ensaios de neutralização de anticorpos libertem dados que "sejam consistentes o suficiente" para que se possa "tirar uma conclusão mais séria acerca desta nova variante".

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou hoje que o risco global representado pela nova variante Ómicron do coronavírus é "muito alto".

Lusa

TAAG realiza três voos de repatriamento na terça-feira

A companhia aérea angolana TAAG vai realizar voos de repatriamento a partir da Africa do Sul, Moçambique e Namíbia, na terça-feira, devido à suspensão dos voos para estes destinos por causa da nova variante do coronavirus.

Angola anunciou que vai encerrar fronteiras com sete países africanos - África do Sul, Botsuana, Essuatíni, Malawi, Moçambique, Namíbia e Zimbabué - a partir de 1 de dezembro, o que levou a TAAG a suspender no domingo, os seus voos regulares para Moçambique, Namíbia e África do Sul.

Para fazer regressar os passageiros que se encontram nestes países a TAAG realiza na terça-feira um voo Luanda-Joanesburgo-Luanda com saída às 18:00 e chegada prevista à cidade sul-africana às 22:25 locais; uma ligação Luanda-Maputo-Luanda com partida às 23:59 e chegada à capital moçambicana às 05:00 locais; e um voo Luanda-Windhoek-Luanda que parte às 17:00 e chega às 20:30 à capital namibiana.

(leia a notícia completa aqui)

Empresários moçambicanos consideram "machadada" proibição de voos

A Confederação das Associações Económicas (CTA) de Moçambique considerou esta segunda-feira uma "machadada para a economia e os negócios" a proibição de voos para o país, na sequência da identificação de uma nova variante do vírus de covid-19 na África Austral.

"Começávamos a ficar animados em relação à recuperação da economia e ao regresso dos negócios, mas estas novas restrições deram uma machadada" no setor, disse à Lusa o presidente do pelouro do Turismo da CTA, Abdula Momade.

Momade avançou que muitos investidores já tinham retomado viagens de negócios para Moçambique e tantos outros tinham agendado fazê-lo nos próximos meses, na sequência da melhoria das condições de segurança no centro e norte do país e com a projetada chegada da plataforma flutuante que vai produzir gás natural na bacia do Rovuma, mas pode verificar-se um "retrocesso catastrófico".

(com Lusa)

Especialistas sul-africanos confiantes na resposta das vacinas à Ómicron

Os principais especialistas da África do Sul na luta contra a pandemia manifestaram-se esta segunda-feira cautelosamente otimistas quanto à capacidade das vacinas existentes para prevenir a covid-19 grave resultante do contágio pela nova variante Ómicron.

"Com base no que sabemos, e na forma como outras variantes de preocupação reagiram à imunidade vacinal, podemos esperar que ainda veremos uma elevada eficácia contra a hospitalização e doenças graves", afirmou Salim Abdool Karim, um dos principais cientistas sul-africanos envolvidos no combate à covid-19, em declarações hoje numa conferência de imprensa virtual.

"É provável que a proteção contra as vacinas se mantenha forte. Não sabemos isto definitivamente, estão a ser feitos estudos, mas, com base no que sabemos, podemos esperar que este seja o cenário provável, que as vacinas se aguentem bem em termos de prevenção de hospitalizações porque dependem mais da imunidade das células T e menos de anticorpos", acrescentou.

(com Lusa)