Internamentos descem ligeiramente num dia com 21 mortos

O boletim da DGS indica que se registaram 3417 novos casos de covid-19, estando agora 936 pessoas internadas, dos quais 133 doentes nos cuidados intensivos.

Relatório da Direção-Geral da Saúde (DGS) indica que Portugal confirmou, em 24 horas, 3417 novos casos de covid-19. Há a registar mais 21 mortes devido à infeção por SARS-CoV-2, segundo o boletim epidemiológico desta terça-feira (7 de dezembro).

A maioria dos óbitos foram declarados em Lisboa e Vale do Tejo (7) e na região Norte (6), sendo que no Algarve foram registados quatro mortos devido à doença, na Madeira três e no Centro um.

Na distribuição de casos por regiões, verifica-se que foi ultrapassada a casa dos milhares no Norte (1094 novas infeções) e em Lisboa e Vale do Tejo (1036), enquanto no Centro houve 799, no Algarve 272 e na Madeira 115. Mais calma aparenta estar a situação no Alentejo com 74 novos casos e nos Açores com 27.

Há agora 936 internados nos hospitais portugueses, menos 12 que no dia de segunda-feira. Nas unidades de cuidados intensivos houve igualmente uma redução de dois doentes, totalizando agora de 133.

Esta atualização dos dados da pandemia em Portugal surge no dia em que a Organização Mundial da Saúde (OMS)/Europa apelou a uma melhor proteção das crianças dos 5 aos 14 anos, atualmente a faixa etária mais afetada, tendo em conta a evolução da pandemia de covid-19.

Numa conferência de imprensa 'online', o diretor da OMS/Europa, Hans Kluge, considerou a vacinação obrigatória, decidida ou considerada por alguns países, como um remédio de "último recurso absoluto".

"O uso de máscaras e ventilação, assim como testes regulares, devem ser a norma em todas as escolas primárias e a vacinação de crianças deve ser discutida e considerada a nível nacional, a fim de proteger as escolas", disse Hans Kluge.

Os apelos da OMS acontecem numa altura em que aumenta o número de casos da variante Ómicron. "Está à vista e em ascensão e temos razões para estarmos preocupados e cautelosos", disse Kluge.

Espanha aprova vacinação de crianças entre os 5 e os 11 anos

Em Portugal, soube-se esta terça-feira que foram detetados três casos da nova variante num voo de Moçambique que chegou no sábado a Lisboa, avançou esta terça-feira a SIC Notícias.

Os 282 passageiros, na maioria portugueses e moçambicanos foram testados à covid-19 por equipas do INEM, tendo ficado em isolamento. Os três casos da variante Ómicron foram confirmados pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA).

Com estes três novos casos, foram registados em Portugal 37 infeções associadas à Ómicron.

em Espanha, as autoridades de saúde aprovaram a vacinação de crianças entre os 5 e os 11 anos, sendo que o processo de inoculação nesta faixa etária deverá arrancar a 15 de dezembro. Em Portugal espera-se que a DGS anuncie uma decisão ainda durante o dia de hoje. Decisão essa que deverá seguir o mesmo caminho do país vizinho.

A aprovação da vacinação de crianças da Comissão de Saúde Pública de Espanha acontece após a Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla em inglês) ter dado luz verde à vacina da Pfizer para a vacinação de crianças e o aval dado pela grupo de técnicos que dá apoio às autoridades de saúde espanholas.

Escreve o El País que esta é a faixa etária que apresenta a maior incidência de infeções por SARS-CoV-2: 412 casos por 100 mil habitantes, muito acima da média nacional que é de 248 casos por 100 mil habitantes. Este aumento da incidência nos menores de 12 anos terá sido um dos argumentos que serviu de base à decisão conhecida esta terça-feira.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG