Taxistas querem veículos de Lisboa em futuro aeroporto do Montijo

Associações de taxistas defendem que parte do contingente de Lisboa deverá passar para a margem sul do Tejo

As associações representativas dos táxis defenderam hoje que as licenças do transporte individual de passageiros que se encontram a mais em Lisboa deviam passar a operar no Montijo, caso a Base Aérea militar seja transformada em aeroporto comercial.

Em declarações à Lusa, tanto o presidente da Federação Portuguesa do Táxi (FPT), Carlos Ramos, como o presidente da ANTRAL - Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros, Florêncio Almeida, são unânimes ao considerar que a solução para o serviço de transporte individual passará por levar parte do contingente de Lisboa para a margem sul do Tejo, nomeadamente para o futuro aeroporto.

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou na quarta-feira (08 fevereiro) que uma decisão definitiva sobre a localização do futuro aeroporto no Montijo está condicionada à conclusão de um relatório sobre o impacto da migração de aves naquela zona, nomeadamente para a segurança migratória.

"É o momento oportuno de se começar a discutir o que se pretende. Que tipo de praça vai ser criada no Montijo, se vai ser aberto concurso, ou se será fixado um contingente e daí levar viaturas que estão na cidade de Lisboa para aquele aeroporto, sem prejuízo dos empresários do Montijo", afirmou Carlos Ramos.

O responsável da FPT alertou para o facto de as licenças que foram sendo atribuídas ao longo dos últimos anos terem acontecido "considerando o crescimento do aeroporto [Humberto Delgado, de Lisboa], bem como o tecido empresarial na capital".

"Todos nós temos a moção que, em termos de empresas, muitas se foram embora para a zona periférica, muitas para Oeiras, o que leva a que o equilibro entre a procura e a oferta não esteja assegurado. Há mais oferta do que procura", salientou.

Desta forma, Carlos Ramos considera que, se uma parte substancial do aeroporto de Lisboa, como voos e passageiros, vai para o Montijo, é preciso pensar num contingente de acordo com as necessidades que vão surgir.

Também Florêncio Almeida defendeu como solução para o eventual aeroporto do Montijo uma "escala para que os táxis de Lisboa lá possam ir fazer serviço", avançando que tal medida caberá ao Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT).

"Não acredito que se vá aumentar o contingente da praça do Montijo para satisfazer as necessidades e os táxis de Lisboa fiquem parados", disse Florêncio de Almeida.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.