Pela segurança do Papa inspetores do SEF suspendem greve

A greve às horas extraordinárias dos funcionários da carreira da investigação do SEF vai ser suspensa entre 9 e 14 de maio

Os inspetores do SEF decidiram suspender a greve às horas extraordinárias durante o período em que as fronteiras voltam a ter controlo, entre 9 a 14 de maio, no âmbito da operação de segurança para a visita do Papa Francisco. "Numa altura em que o Governo entendeu alargar o âmbito da segurança interna
durante a visita do Papa Francisco ao território nacional, implementando, temporariamente, o controlo da circulação de pessoas e bens em todas as fronteiras nacionais, torna-se evidente que apenas um esforço suplementar das mulheres e dos homens que constituem a Carreira de Investigação e Fiscalização do
SEF poderá colmatar a endémica falta de efetivos que afeta este serviço", diz um comunicado que o DN teve acesso e que será difundido ainda esta tarde.

Esta greve, declarada desde 1 de junho de 2013, teve como fundamento, diz o Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SCIF - SEF) "a gravíssima falta de
inspetores do SEF, os quais não registaram qualquer ingresso entre 2004 e 2017, extenuando e sacrificando os inspetores em funções e comprometendo o eficaz controlo das fronteiras externas e toda atividade operacional, pondo em causa a segurança e a soberania nacional, bem como a dos países europeus de que Portugal é fronteira externa". Os inspetores salientam que "apesar da missão do SEF, órgão de Polícia Criminal, ser desempenhada com elevado grau de eficiência, à custa de enorme esforço e inexcedível dedicação das mulheres e homens que integram a Carreira de Investigação e Fiscalização, não é a estes humanamente possível manter de forma contínua e permanente o esforço suplementar que lhes exigem em permanência".

Desta forma, em nome da segurança do Papa e da sua proteção, que o Sindicato tomou esta decisão "por forma a garantir que estejam disponíveis os meios necessários para assegurar a normalidade da circulação nas fronteiras nacionais, importantíssima componente da segurança interna".

Mas deixam o aviso de que a sua compreensão com a importância do momento possa ter igual entendimento por parte do executivo: "espera-se que o Governo, findo este período de excecionalidade, possa dar resposta, não só ao excesso de trabalho com que os inspetores do SEF são todos os
dias confrontados, mas, sobretudo, ao bloqueio à economia nacional em que o SEF se está a transformar devido à sua falta de efetivos e - acima de tudo - aos riscos para a segurança nacional e europeia que tão gritante falta de recursos humanos do SEF".

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?