Marcelo usado em vídeo de propaganda do Daesh

Imagem de Marcelo a condecorar o rei de Marrocos mostrada em seminário sobre comunicação no contexto de terrorismo, com os chefes máximos das secretas

Uma fotografia do Presidente da República foi utilizada num vídeo de propaganda do autoproclamado Estado Islâmico. Na imagem, Marcelo Rebelo de Sousa está com o rei de Marrocos, Mohammed VI, e foi tirada em junho último quando o Chefe do Estado português condecorou o monarca com a Ordem de Santiago, durante uma visita àquele país. No vídeo, Marcelo é apelidado de "infiel" e Maomé VI de "muçulmano sem vergonha".

O caso foi ontem publicamente revelado por Nuno Rogeiro, comentador político e perito em assuntos de segurança internacional, num seminário sobre "Estratégias de comunicação em contexto de terrorismo", que contou com a presença dos mais altos dirigentes das secretas portuguesas e estrangeiras. Na sua intervenção, Nuno Rogeiro mostrou vários exemplos da utilização da internet, através das redes sociais e de sites, por parte dos movimentos jihadistas que produzem, segundo afirmou, "90 mil mensagens por dia".

Fonte oficial de Belém confirmou ao DN ter tido conhecimento do caso, mas absteve-se de comentar. "As autoridades competentes tomaram conta do assunto", sublinhou o porta-voz de Marcelo. Ao que o DN apurou, a situação foi avaliada pelos serviços de informações, aos quais compete a análise de ameaça sobre as altas individualidades, e foi concluído que o "alvo" dos terroristas não era o Presidente português, mas sim o rei de Marrocos.

O filme chama-se Geração do Califado e, contou o analista na sua página do Facebook, "procura mostrar que a juventude do Daesh é bem formada, bem preparada em escolas e mesquitas e tem uma moral superior à dos jovens de países árabes e islâmicos "corruptos"". A certa altura, conta Rogeiro, "começa uma longa litania contra os dirigentes pseudoislâmicos que se vergam ao Ocidente e são seus serventes". E é nesse momento que surge o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa e o rei de Marrocos. Uma lupa é colocada sobre o peito deste, para mostrar a mais alta condecoração portuguesa dada pelo PR ao soberano e uma voz off refere que vários "líderes ditos muçulmanos não têm vergonha de mostrar prémios e condecorações dados por infiéis, como mostra a imagem". E conclui: "O verdadeiro islão não esquecerá estes atos."

De acordo com Rogeiro, "o filme é originário de um estúdio do Dito Estado Dito Islâmico", localizado na zona síria de Deir Ez-Zour, onde se encontram alguns recursos petrolíferos do grupo terrorista e o "controlo ideológico do seu conteúdo foi assegurado por uma divisão criada por um combatente de origem líbia, Abu-Naisa al Libi, cuja morte já foi anunciada várias vezes".

Portugal: segredos do sucesso

Apesar das preocupações salientadas pelos chefes das secretas em relação à poderosa máquina de propaganda jihadista e à sua eficácia na radicalização de milhares de jovens europeus, o diretor do Serviço de Informações de Segurança (SIS) avançou que "em Portugal os casos identificados de radicalização são minoritários e a dimensão do problema não é comparável ao de alguns países europeus". Neiva da Cruz referiu que "as redes sociais e plataformas digitais controladas e rastreadas pelo Daesh cobrem bastantes línguas europeias, incluindo o português".

Mas qual o segredo da peculiaridade portuguesa em matéria de terrorismo? Segundo este chefe das secretas, isso deve-se a três fatores: "O primeiro são as políticas públicas de integração social, que impedem o enraizamento em guetos, onde normalmente as relações familiares e de vizinhança são fatores preponderantes na radicalização. O segundo são as próprias características da comunidade islâmica nacional, pela sua integração na sociedade, pela atitude cooperante das suas lideranças com as entidades nacionais. O terceiro é a coordenação entre as organizações da sociedade civil, serviços de informações e forças de segurança."

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.