Justiça. Um pacto que Rio e Costa conseguem acompanhar

Líder eleito do PSD e primeiro-ministro partilham posições sobre violação de segredo de Justiça e o combate à corrupção.

O líder eleito do PSD tem lastro de pensamento crítico sobre a Justiça. António Costa foi ministro da dita e sempre teve posições claras sobre alguns dos temas cadentes do setor, nomeadamente sobre a morosidade dos mecanismos judiciais. Este caldo é meio caminho andado para que Rui Rio e António Costa possam seguir em direção ao pacto da Justiça pedido há mais de um ano pelo Presidente da República.

Começa hoje mais um Ano Judicial e com ele a esperança renovada de Marcelo Rebelo de Sousa que a Justiça entre mesmo nas prioridades dos dois principais partidos, PS e PSD. E num momento em que também há grande expectativa sobre um diálogo mais próximo entre Rio e Costa. Ambos foram fervorosos adeptos do combate à corrupção nas autarquias, enquanto lideraram a do Porto e a de Lisboa.

Rio adotou medidas nesse sentido dentro do município, Costa fez parecido na capital. Um dos temas que também os une é da violação do segrego de justiça. Neste ponto Rio e Costa têm declarações muito semelhantes. Numa das suas entrevistas de candidatura ao PSD, Rui Rio disse que "os julgamentos são para ser feitos nos tribunais" e não nos jornais ou na praça pública. Em 2014, depois de uma visita a José Sócrates na cadeia de Évora, António Costa, sublinhou que, além de "assegurar que a acusação tenha os meios necessários para fazer a investigação e que a defesa disponha dos meios e de igualdade de meios no exercício da defesa" era também preciso que "o segredo de justiça seja preservado e que não haja condenações, nem julgamentos na praça pública, que as pessoas se possam defender". Também ambos se manifestaram contra as propostas de lei sobre o enriquecimento ilícito, sempre que elas foram discutidas.

O constitucionalista e antigo deputado do PSD Jorge Bacelar Gouveia acredita que será possível um aproximar de posições entre o novo líder do partido e o primeiro-ministro. Mas frisa que há medidas estruturais urgentes sobre as quais os dois se deveriam debruçar. Uma delas consta das 80 medidas que os agentes da Justiça entregaram ao Presidente da República, precisamente a da redução das custas judiciais. Outra das "urgências" é da agilização da justiça tributária. "Há processos há dez anos nos tribunais. É uma vergonha", diz Bacelar Gouveia. E destaca ainda a questão dos inventários das heranças, que foi entregue aos notários que não têm condições para as despachar em tempo razoável.

Bacelar Gouveia coloca ainda sobre a mesa a figura da delação premiada, que não obteve o acordo dos agentes judiciários. "Tem de se fazer um debate político sobre isto", assegura.

Qualquer futuro acordo de regime entre Rui Rio e António Costa tem um ponto de partida que nenhum outro líder teve antes. O ano judicial abre hoje com um prévio acordo entre os agentes do setor - magistrados, advogados, solicitadores e oficiais de justiça - consolidado num "Pacto" assinado por todos este mês.

A maior parte das medidas, como assinala o bastonário da Ordem dos Advogados, Guilherme Figueiredo - que tem a sua primeira intervenção na sessão solene - "nem são geradoras de muitos conflitos ideológicos, são medidas apenas que visam melhorar o funcionamento da justiça, com que todos estão de acordo".

Na sua opinião "não é difícil" Rio e Costa "chegarem a um entendimento". No que diz respeito a matérias "mais estruturantes" que são propostas no acordo, como é o caso da "unificação da jurisdição comum com a administrativa e fiscal, criando uma ordem única de tribunais, com um único Supremo Tribunal e um único Conselho Superior da Magistratura Judicial" ou a redução das custas judiciais, de acordo com os rendimentos, o bastonário já não antevê a mesma facilidade.

"Nas suas intervenções públicas Rui Rio manifestou alguma desconfiança em relação ao funcionamento da justiça, mas uma coisa são essas opiniões, outra coisa é, já enquanto presidente do PSD, tiver a sua equipa a trabalhar estas matérias e a defender propostas concretas".

Rio é há muito tempo um crítico do funcionamento do Ministério Público, o que verbalizou durante a campanha para a presidência do PSD, sem ter sido claro sobre a avaliação que faz do mandato da atual procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, que termina em outubro. Apesar da escolha ser competência do governo e a nomeação do Presidente da República [portanto, a concordância], é um dos temas que os dois líderes irão discutir.

António Ventinhas, presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, prefere não fazer vaticínios sobre "pactos" entre Rui Rio e António Costa. "Uma coisa é certa, sempre que quiseram o PSD e o PS entenderam-se, mesmo no atual cenário de maioria parlamentar de esquerda, para aprovar medidas muito prejudiciais aos procuradores, como é o caso da mobilidade do Ministério Público e outras que consideramos inconstitucionais", salienta. A presidente da Associação Sindical dos Juízes Portugueses, Maria Manuela Paupério, espera "que haja entendimento político" para aprovar e legislar sobre as medidas propostas no pacto de justiça, "principalmente as que dizem respeito ao reforço dos recursos humanos" nos tribunais. Idêntico desejo tem Fernando Jorge, presidente do Sindicato dos Funcionários de Justiça, que gostaria que "tal como já anunciou a Sra. Ministra da Justiça, 2018 seja o ano das grandes decisões". "Quero acreditar", assinala, "que uma delas seja mesmo a aprovação dos estatutos juízes, procuradores e oficiais de justiça".

50 de 150 medidas cumpridas

No balanço oficial sobre o plano de modernização "Justiça mais Próxima", está registada a conclusão de 52 das 150 medidas previstas para os quatro anos de mandato. De acordo com dados do ministério da Justiça o "potencial de poupança de tempo de trabalho e despesa que ascende já a 4,2 milhões de euros/ano". Ainda no que diz respeito à modernização foi desenvolvida a certidão judicial eletrónica, com mais de 7000 certidões já emitidas, ou ainda a consulta online dos processos executivos pelas partes. Refira-se também os mais de 30.000 pedidos, em 15 meses, de Registo Criminal Online, medida de desmaterialização quem veio retirar um significativo trabalho administrativo das secretarias judiciais.

Exclusivos

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.