Terão os partidos mulheres suficientes para as listas?

Discutidas hoje alterações às leis para maior representação feminina na política. Haverá capacidade de os partidos fazerem as listas?

A nova lei da paridade na política, que é hoje discutida na Assembleia da República, pode trazer problemas aos partidos na hora de fazer as listas de candidatos a deputados, para o Parlamento Europeu e para as autarquias. Para Filipe Lobo d"Ávila, ex-deputado do CDS, que já disse publicamente discordar da lei das quotas, "os partidos não têm mulheres em número suficiente para cumprir a lei", na hora de fazer as listas. Já Sandra Cunha, do BE, assume que "qualquer complicação prática que se pode colocar aos partidos não pode prejudicar aquilo que é a defesa da igualdade de género".

Segundo a proposta do governo, a paridade passa a obrigar a uma representação mínima de 40%, com os dois primeiros lugares a serem ocupados por candidatos de sexo diferente, não podendo ser colocados mais de dois candidatos do mesmo sexo consecutivamente. E em caso de substituição, o eleito que sai tem de dar lugar a um candidato do mesmo sexo. Se a lista não cumprir a lei, rejeita-se toda a lista.

Filipe Lobo d"Ávila recordou ao DN que, nas eleições legislativas anteriores, de 2015, o CDS andou à procura de candidato para Santarém, nas listas da coligação com o PSD. "Nos termos da lei da paridade, o candidato do CDS tinha de ser uma mulher", lembrou. Os centristas não tinham ninguém, "foi uma dificuldade prática que se passou com o CDS". "Objetivamente", argumentou, "os partidos terão dificuldades em preencher as quotas".

Sandra Cunha quase encolhe os ombros. "Se os partidos tiverem complicações - qualquer partido - terão de lidar com elas e terão de cumprir a lei", deixando o aviso: "Atempadamente devem prever todas essas situações e garantir que têm listas passíveis de serem aceites. Independentemente das complicações que possam existir, não as negamos, elas têm de ser ultrapassadas." Para Lobo d"Ávila, a questão é profunda. "É importante os partidos abrirem-se, terem mais homens e mulheres que participem na vida dos partidos. Mas do ponto de vista prático, tenho a maior das dificuldades de perceber se será exequível", apontou, referindo que o CDS até nem precisa de dar o exemplo - tem uma líder mulher (que defende as quotas) e uma bancada que cumpre a lei da paridade.

Segundo informações dadas pelos partidos, o CDS tem uma representação feminina de 39% entre os seus militantes; o PAN diz que 60% dos filiados são mulheres; em dezembro de 2016, quando do seu congresso, o PCP afirmava que "a percentagem de mulheres subiu, ultrapassando os 31% dos membros do partido"; o PS tem 65,62% de homens e 34,38% de mulheres; já o BE tem 34,98% de "aderentes mulheres". (Só PS e BE disponibilizaram dados ao DN por distrito, permitindo observar que há distritos com desequilíbrios mais acentuados.) Lobo d"Ávila questiona-se quantas mulheres (dos 39% do seu partido) estarão "disponíveis para participar ativamente". Sandra Cunha reconhece que há essas "condicionantes", "mas aquilo que se tem de fazer é trabalhar no sentido de garantir que se tem listas realmente paritárias".

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."