Rio: comissão de inquérito às rendas energéticas pode justificar-se

A polémica com Manuel Pinho e o preço da energia é "problema sério" e "tem responsáveis lá para trás", sublinha o líder do PSD

O líder do PSD, Rui Rio, afirmou hoje que a questão das rendas energéticas "é efetivamente um problema sério", com "história e responsáveis", considerando que se "pode justificar" a criação da comissão de inquérito proposta pelo BE.

Questionado se se justifica uma comissão de inquérito às rendas energéticas, Rui Rio respondeu que, "nesse caso concreto, pode-se justificar".

Segundo o social-democrata, que falava aos jornalistas em Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, à margem de uma visita ao hospital local, uma comissão de inquérito às rendas energéticas "é uma coisa muito mais larga, que não tem exatamente apenas a ver com a questão" relacionada com alegadas suspeitas de Manuel Pinho ter recebido, enquanto ministro, um salário paralelo de 15 mil euros por mês.

"Eu quero que o ex-ministro se explique, depois dele se explicar veremos o que é mais adequado em função do que possa ser a explicação dele. Imagine que [Manuel Pinho] desmente, que tem provas que é mentira, ele tem a presunção de inocência", disse, acrescentando que, "as coisas assim, com ele em silêncio, do ponto de vista político é que não é sustentável".

Para Rui Rio, "a questão das rendas energéticas e do preço da energia em Portugal é efetivamente um problema sério, que tem história e tem responsáveis lá para trás".

O líder do PSD referiu que o partido já entregou no parlamento o requerimento a pedir a audição de Manuel Pinho na comissão de Economia, para que o antigo ministro, se assim o entender, preste esclarecimentos sobre as alegadas suspeitas.

O BE formalizou hoje o pedido de constituição de uma comissão parlamentar de inquérito ao "pagamento de rendas excessivas aos produtores de eletricidade", que deverá funcionar por quatro meses e abranger os governos entre 2004 e 2018.

"A existência de corrupção de responsáveis administrativos ou titulares de cargos políticos com influência ou poder na definição destas rendas" está também incluído no objeto da comissão de inquérito proposta pelo BE.

De acordo com o projeto de resolução entregue na Assembleia da República, o BE pretende que a comissão de inquérito se debruce sobre "o pagamento de rendas e subsídios aos produtores de eletricidade, sob a forma de Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC) ou outras".

Para o BE, o objeto da comissão de inquérito deverá abranger "a dimensão dos pagamentos realizados e a realizar neste âmbito, o efeito sobre os custos do sistema elétrico produzido pelas alterações legislativas e atos administrativos realizados no âmbito dos CMEC pelos governos entre 2004 e 2018" e "o efeito sobre os custos do sistema elétrico produzido pela extensão do regime de tarifa subsidiada à produção eólica".

Por outro lado, os bloquistas incluem ainda no objeto da comissão o apuramento das condições em que foram tomadas as decisões governativas neste âmbito, a existência de omissão ou falha nas obrigações daquelas entidades reguladoras, bem como "a existência de favorecimento por parte de governos relativamente à EDP, no caso dos CMEC".

Desta forma, no objeto da comissão proposta pelo Bloco ficam abrangidos os governos liderados por Durão Barroso, Pedro Santana Lopes, José Sócrates, Pedro Passos Coelho e António Costa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.