Presidente pergunta se Portugal "mudou o suficiente"

Marcelo Rebelo de Sousa encerra o Congresso Nacional de Queimados, em Pedrógão Grande.

O Presidente da República afirmou este domingo que Portugal "mudou irreversivelmente" após os trágicos incêndios de 2017 na região centro, mas questionou se "mudou o suficiente".

Marcelo Rebelo de Sousa intervinha em Pedrógão Grande, no encerramento do Congresso Nacional de Queimados e quando se celebra um ano após os incêndios onde morreram dezenas de portugueses naquela zona.

"O grande desafio que se coloca ao país é saber se, além de mudarmos, se mudámos o suficiente", argumentou o Chefe do Estado, frisando que "o desafio" passa por "não deixar esquecer" o que aconteceu e, muito em particular, "não esquecer o pano de fundo que fez com que o sucedido tivesse a dimensão que teve".

Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que foram responsabilidades de décadas, se não séculos, a contribuir para o que ocorreu, mas "há empenho" de todos e há que "ser persistente, ser constante", para evitar que volte a suceder uma tragédia semelhante.

"O país assumiu essa responsabilidade", todos "perceberam que Portugal tinha que mudar e esse renascer foi o mais importante", enfatizou o Presidente, mas importa saber se "mudou o suficiente".

"Daqui a um ano, quando há eleições, estaremos cá os mesmos? E os mesmos com a mesma preocupação, a mesma mobilização? E no ano seguinte, em que não há eleições? Estaremos os mesmos?", interrogou Marcelo Rebelo de Sousa.

"O meu propósito é ajudar a mudar de vida", prosseguiu Marcelo Rebelo de Sousa, observando que é "um realista otimista".

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.