Com "dúvidas", Marcelo ratificou acordo comercial entre UE e Canadá

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ratificou o acordo comercial entre a União Europeia e o Canadá (CETA, sigla em inglês), assinado em outubro de 2016 e aprovado pelo Parlamento português em setembro.

"Embora suscitando algumas dúvidas específicas, a coerência como uma linha fundamental da política externa portuguesa explica que, após longa ponderação, o Presidente da República tenha assinado a ratificação do Acordo Económico e Comercial Global entre o Canadá, por um lado, e a União Europeia e os seus Estados Membros", lê-se numa mensagem divulgada hoje no 'site' da Presidência da República Portuguesa.

O parlamento português aprovou a 20 de setembro deste ano o acordo comercial celebrado entre a União Europeia (UE) e o Canadá, assinado em 30 de outubro de 2016, e que entrou provisoriamente em vigor a 21 de setembro.

O tratado CETA é o primeiro acordo económico da UE após o Tratado de Lisboa a incluir um capítulo inteiramente dedicado aos investimentos, reduz as taxas aduaneiras para um grande número de produtos e uniformiza normas para favorecer intercâmbios e para mudar profundamente as relações comerciais entre o Canadá e a UE.

Segundo dados da Comissão Europeia, no que respeita a produtos agroalimentares, o CETA entre a UE e o Canadá prevê uma redução de 90,9% das taxas aduaneiras canadianas, o que facilitará as exportações de vinho (que em 2015 chegaram aos 54 milhões de euros) e queijo (1,6 milhões de euros em 2015).

As exportações de bens não agroalimentares portugueses para o Canadá -- que atingiram, em 2015, os 358 milhões de euros -- passarão a beneficiar da eliminação de 99% das taxas alfandegárias. Também a circulação de serviços entre os dois países será facilitada com o CETA.

O acordo só entra em vigor de forma definitiva e completa quando todos os Estados-membros da UE o tiverem ratificado. A assinatura do acordo esteve bloqueada pela Bélgica, que o aprovou, por fim, depois de ter anexado uma declaração com a sua posição.

O Governo federal belga esteve vários dias a tentar convencer a região francófona da Valónia, a região de Bruxelas-capital e a comunidade linguística francesa a anularem os seus vetos, que bloqueavam a assinatura deste tratado pela Bélgica e, por arrasto, pela União Europeia.

Transformados em porta-vozes dos oponentes ao CETA, os valões levantaram dúvidas sobre as consequências do Tratado sobre a sua agricultura e manifestaram-se especialmente preocupados com a possibilidade permitida pelo tratado de que uma multinacional possa processar um Estado que adote uma política pública contrária aos seus interesses.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.