Greve de professores. Pais ameaçam sair em defesa dos contratos com privados

Confap critica greve às avaliações e admite pensar numa forma de luta dos pais, que passará pela defesa da livre escolha da escola

O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap), Jorge Ascensão, não poupa críticas à greve às avaliações, que considera "só prejudicar os alunos", e avisa que se os docentes não repensarem a sua estratégia de luta os encarregados de educação irão reagir. Provavelmente através da defesa de alternativas à escola pública, como a chamada livre escolha da escola e o reforço dos contratos de associação, fortemente condicionados há dois anos pelo atual governo.

"Pensaremos bem na forma de os pais fazerem greve a uma escola que os trata mal", avisa. "E provavelmente teremos de exigir ao governo - não nos impondo uma escola pública, como a que nos impôs há dois anos - que nos permita escolher uma escola que responda às nossas necessidades".

Pensaremos bem na forma de os pais fazerem greve a uma escola que os trata mal

A defesa dos contratos de associação, considera, é a reação inevitável a formas de luta dos professores que, defende, se repetem "todos os anos" e estão "a atacar o coração do processo de aprendizagem" dos alunos.

"É para onde nos estão a empurrar", confirma. "O governo tem de rever a questão dos contratos de associação. Não vale a pena ter um sistema público de educação que está em permanente revolução. O primeiro direito é o das crianças. Não podemos estar permanentemente nesta instabilidade".

A Confap, cujo conselho executivo reuniu hoje e emitiu um comunicado reiterando "o desejo de que os direitos das crianças e dos jovens sejam respeitados", criticou ainda a Confederação Nacional Independente de pais e Educadores (CNIPE), a outra confederação de associações de pais do país, que acusou de "desonestidade intelectual" ao afirmar que a greve dos docentes defende os interesses dos alunos. Jorge Ascensão acrescenta mesmo que vários dirigentes dessa organização "são professores" e é nessa condição que formulam as suas posições.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.