Nova demissão na Ordem dos Advogados

Bastonário pediu ao Conselho Geral para analisar o processo de cálculo dos seus salários, que estão na base da saída do vogal Silva Cordeiro.

O bastonário da Ordem dos Advogados disse este sábado que o Conselho Geral (CG) vai analisar sexta-feira o processo relativo aos seus vencimentos, que levou um vogal a demitir-se, e devolverá "na hora" o que lhe tiver sido pago a mais.

Guilherme Figueiredo falava ao DN à margem dos trabalhos de encerramento do Congresso dos Advogados, em Viseu, no dia em que o JN noticiou ganhar mais que a procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal. Isso levou Silva Cordeiro a pedir sexta-feira a demissão do cargo de vogal do CG, um mês após a do então vice-presidente, Miguel Matias (por razões não reveladas).

"Se abdiquei da indemnização ou compensação" financeira a receber no final do mandato e se "exigi que qualquer valor pago estivesse [discriminado] no recibo", observou o bastonário, "não ia receber à socapa" mais do que os valores aprovados pelo CG da Ordem (depois fixados e processados pelos respetivos serviços).

Guilherme Figueiredo lembrou que Silva Cordeiro "votou a deliberação" do CG relativa aos seus vencimentos - que disse serem inferiores ao da antecessora, Elina Fraga - e aprovou as contas de 2017 "onde estavam incluídas as remunerações" do bastonário.

Em causa está o valor das remunerações auferidas em 2017 pelo bastonário dos Advogados e que, segundo as regras estabelecidas, deveria ser equivalente à da procuradora-geral da República.

Contudo, os registos a que o JN teve acesso indicam que Guilherme Figueiredo recebeu cerca de 13 mil euros a mais do que Joana Marques Vidal.

"Sou alheio" a quaisquer situações menos claras, assegurou Guilherme Figueiredo, reafirmando que recebe o que foi aprovado pelo CG da Ordem e depois fixado pelos respetivos serviços. Agora, frisou o bastonário, "reponho na hora" qualquer montante que possa ter recebido a mais "e como não podia deixar de ser".

Guilherme Figueiredo insistiu ainda em evocar "as duas exigências" que colocou aquando da aceitação do cargo: "Não aceitava receber" uma indemnização compensatória de reintegração no final do mandato e que "qualquer valor pago" constasse do seu recibo de vencimentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.