Moção de censura: acordos PS e outros partidos da esquerda preveem discussão sobre voto

Documentos obrigam a que haja reuniões entre os partidos para discutir o sentido de voto sempre que haja uma moção de censura

Os acordos assinados, em 2015, entre o PS e o BE, o PCP e o PEV que dão a sustentação parlamentar ao atual governo preveem que, em casos de moção de censura, os partidos têm de reunir para discutir o sentido do voto a adotar.

A questão ganha agora relevância com a anunciada moção de censura do CDS, na sequência da tragédia dos fogos, que deverá também ser apoiada pelo PSD. Será a primeira vez que o executivo de António Costa será confrontado com uma situação destas.

A moção só tem hipótese de passar no Parlamento se aos votos do CDS e do PSD se juntar algum partido da esquerda. Uma vez que o acordo entre partidos não estabelece qualquer obrigatoriedade de "chumbo" de uma eventual moção, é uma questão que, pelo menos no plano teórico, está em aberto.

O que os partidos da esquerda estabeleceram foi que deveriam examinar, "em reuniões bilaterais que venham comummente a serem consideradas necessárias" matérias relacionadas com, entre outras questões, "moções de censura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.