CDS avança com moção de censura ao Governo

Líder do CDS diz que já informou Marcelo e acusa Executivo de não ter assumido uma única responsabilidade perante tragédia dos incêndios

Em conferência de imprensa, na sequência da reunião da Comissão Executiva do CDS, Assunção Cristas frisou que perante a repetição da tragédia "o Governo não faz um único pedido de desculpas, nem toma a dianteira na indemnização às famílias das vítimas". A líder centrista afirmou que o Executivo falhou em "cumprir a função mais básica do Estado: proteger as pessoas".

Assunção Cristas, que foi ministra da Agricultura do governo de coligação PSD/CDS, garantiu que irá entregar o texto da moção de censura no Parlamento na quarta-feira ou depois e que irá, entretanto, falar com o presidente do PSD sobre o assunto.

António Costa, recorde-se, optou por não pedir desculpas aos portugueses pelas eventuais falhas do governo na prevenção dos incêndios dos últimos dias, tendo também recusado afastar a ministra da Administração Interna. Já Constança Urbano de Sousa, explicando os motivos para não se demitir, fez também uma afirmação que está a gerar polémica, sobretudo por ter sido proferida numa altura em que já estavam confirmadas muitas vítimas dos incêndios que começaram neste fim de semana: "Para mim seria mais fácil, pessoalmente, ir-me embora e ter as férias que não tive"", afirmou. "Isso resolvia o problema?", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.