CDS avança com moção de censura ao Governo

Líder do CDS diz que já informou Marcelo e acusa Executivo de não ter assumido uma única responsabilidade perante tragédia dos incêndios

Em conferência de imprensa, na sequência da reunião da Comissão Executiva do CDS, Assunção Cristas frisou que perante a repetição da tragédia "o Governo não faz um único pedido de desculpas, nem toma a dianteira na indemnização às famílias das vítimas". A líder centrista afirmou que o Executivo falhou em "cumprir a função mais básica do Estado: proteger as pessoas".

Assunção Cristas, que foi ministra da Agricultura do governo de coligação PSD/CDS, garantiu que irá entregar o texto da moção de censura no Parlamento na quarta-feira ou depois e que irá, entretanto, falar com o presidente do PSD sobre o assunto.

António Costa, recorde-se, optou por não pedir desculpas aos portugueses pelas eventuais falhas do governo na prevenção dos incêndios dos últimos dias, tendo também recusado afastar a ministra da Administração Interna. Já Constança Urbano de Sousa, explicando os motivos para não se demitir, fez também uma afirmação que está a gerar polémica, sobretudo por ter sido proferida numa altura em que já estavam confirmadas muitas vítimas dos incêndios que começaram neste fim de semana: "Para mim seria mais fácil, pessoalmente, ir-me embora e ter as férias que não tive"", afirmou. "Isso resolvia o problema?", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.