Leroy Merlin de Sintra evacuado devido a queda de estrutura publicitária

A queda da estrutura publicitária não provocou feridos, mas "obrigou a evacuar a loja" de Sintra como medida de precaução para os clientes

A queda de uma estrutura publicitária sobre parte da cobertura do armazém Leroy Merlin, na zona industrial da Abrunheira, no concelho de Sintra, não provocou danos pessoais, mas levou hoje ao encerramento da loja, informou fonte da Proteção Civil.

Segundo revelou à Lusa fonte do Serviço Municipal de Proteção Civil de Sintra, pelas 12:15 caiu uma estrutura com o símbolo da Santogal "numa ponta do armazém", que não provocou feridos, mas "obrigou a evacuar a loja" como medida de precaução para os clientes.

A estrutura da empresa vizinha do Leroy Merlin caiu devido ao forte vento que se fez sentir na região, em consequência da depressão 'Gisele', e afetou apenas uma parte da loja de materiais de construção e 'bricolage'.

A mesma fonte da Proteção Civil acrescentou que o espaço comercial deverá permanecer "pelo menos hoje encerrado", para a reparação dos estragos, encontrando-se já no local uma grua para retirar a estrutura da concessionária automóvel.

No local estiveram elementos da Proteção Civil de Sintra, dos Bombeiros Voluntários de São Pedro e da Guarda Nacional Republicana, para auxiliar na evacuação da loja, mas o incidente ficou confinado à área comercial, não afetando a circulação rodoviária na zona envolvente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.