Marques Mendes: "António Domingues considerou-se ofendido"

Comentador disse na SIC Notícias que o administrador da Caixa decidiu sair quando foi aprovada no Parlamento a lei que obriga à entrega da declaração de rendimentos

António Domingues apresentou a sua demissão porque sentiu-se "ofendido" com a aprovação, no Parlamento, da lei que obriga as administrações da Caixa geral de Depósitos a apresentarem as declarações de rendimentos.

Quem o disse, na SIC Notícias, foi Marques Mendes, segundo o qual Domingues quis demitir-se logo na quinta-feira, quando o diploma foi aprovado com os votos favoráveis de PSD, CDS e BE. "Foi por isso que o governo e o PS pediram a repetição da votação. Houve uma votação na quinta e uma repetição na sexta", disse. "Houve ainda uma tentativa de ver se uma segunda votação alterava a primeira".

O pedido de demissão terá sido formalizado na sexta-feira, sendo que, ainda segundo marques Mendes, houve ainda tentativas de o dissuadir da decisão da parte do governo.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.