Governo cria 'checklist' que RAP sugeriu em programa de humor

Executivo vai mesmo criar uma espécie de guia para futuros ministros e secretários de Estado, indicando todas as obrigações e entidades a quem têm de prestar informação

"O meu pai era piloto e antes da descolagem há uma coisa que se chama checklist e é uma listinha que diz o que tem de estar ligado (...). Eu recomendo que o Governo arranje uma checklist para cada ministro". Era esta a proposta do humorista Ricardo Araújo Pereira na última edição do programa "Governo Sombra", a propósito do caso Siza Vieira, e o governo parece ter seguido a recomendação

Em causa, a polémica com o ministro-adjunto, Pedro Siza Vieira, e com o secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, depois das notícias de que infringiram a lei sobre incompatibilidades ao acumularem a gerência de empresas com os cargos políticos.

Ricardo Araújo Pereira recomendou ao Executivo uma checklist para ser entregue a todos os ministros e dois dias depois o Governo anunciou que vai fazer isso mesmo: criar um guia para futuros ministros e secretários de Estado, indicando todas as obrigações e entidades a quem têm de prestar informação.

Esta segunda-feira, fonte do gabinete da ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, anunciou que o Governo vai criar uma espécie de guia com as informações e obrigações que os futuros governantes precisam de entregar, como declarações de rendimentos, e a que entidades, como o Parlamento ou o Tribunal Constitucional, e quais os prazos a respeitar.

"Eu recomendo que o Governo arranje uma checklist para cada ministro e que se pergunte [antes de entrarem para o Executivo]:´Tem alguma empresa com a mulher?' Entregou a declaração de rendimentos? Está a receber dinheiro de um amigo? Algum banco lhe está a pagar? E só quando tiver tudo com um visto, sim senhor, pode entrar`", sugeriu o humorista na última emissão de 26 de maio do programa de rádio (TSF).

Ouça o momento em que RAP fez a recomendação ao Governo (a partir do minuto 10:34):

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.