Governo cria 'checklist' que RAP sugeriu em programa de humor

Executivo vai mesmo criar uma espécie de guia para futuros ministros e secretários de Estado, indicando todas as obrigações e entidades a quem têm de prestar informação

"O meu pai era piloto e antes da descolagem há uma coisa que se chama checklist e é uma listinha que diz o que tem de estar ligado (...). Eu recomendo que o Governo arranje uma checklist para cada ministro". Era esta a proposta do humorista Ricardo Araújo Pereira na última edição do programa "Governo Sombra", a propósito do caso Siza Vieira, e o governo parece ter seguido a recomendação

Em causa, a polémica com o ministro-adjunto, Pedro Siza Vieira, e com o secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, depois das notícias de que infringiram a lei sobre incompatibilidades ao acumularem a gerência de empresas com os cargos políticos.

Ricardo Araújo Pereira recomendou ao Executivo uma checklist para ser entregue a todos os ministros e dois dias depois o Governo anunciou que vai fazer isso mesmo: criar um guia para futuros ministros e secretários de Estado, indicando todas as obrigações e entidades a quem têm de prestar informação.

Esta segunda-feira, fonte do gabinete da ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, anunciou que o Governo vai criar uma espécie de guia com as informações e obrigações que os futuros governantes precisam de entregar, como declarações de rendimentos, e a que entidades, como o Parlamento ou o Tribunal Constitucional, e quais os prazos a respeitar.

"Eu recomendo que o Governo arranje uma checklist para cada ministro e que se pergunte [antes de entrarem para o Executivo]:´Tem alguma empresa com a mulher?' Entregou a declaração de rendimentos? Está a receber dinheiro de um amigo? Algum banco lhe está a pagar? E só quando tiver tudo com um visto, sim senhor, pode entrar`", sugeriu o humorista na última emissão de 26 de maio do programa de rádio (TSF).

Ouça o momento em que RAP fez a recomendação ao Governo (a partir do minuto 10:34):

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.