Filho de Luís Filipe Vieira nega dívida fiscal

Filho do presidente do Benfica diz que não tem relação com a Operação Lex

O filho do presidente do Benfica esclareceu hoje não ter qualquer dívida fiscal que esteja na origem da ligação de Luís Filipe Vieira à Operação Lex e que contencioso é entre o fisco e o pai.

Segundo uma nota enviada por Tiago Vieira à Lusa, o contencioso fiscal diz respeito ao IRS do seu pai, Luís Filipe Vieira, sendo referente ao ano fiscal de 2010 e trata-se de um litígio sobre uma verba que foi "integralmente paga" pelo presidente do Benfica, enquanto contribuinte.

Segundo o Correio da Manhã, Luís Filipe Vieira pediu ao juiz desembargador Rui Rangel, arguido no processo da Operação Lex, que ajudasse a travar uma dívida do filho em tribunal a troco de cargos na Fundação Benfica e na universidade do clube, a criar no Seixal.

Na declaração enviada, o filho do presidente do clube da Luz afirma que, em 2010, Luís Filipe Viera declarou todos os rendimentos auferidos e discordou da liquidação de imposto processada pelo fisco, tendo como contribuinte um "entendimento diferente" quanto à tributação das mais-valias obtidas.

"Apesar de discordar do valor, pagou o imposto requerido na íntegra, tendo, na sequência, utilizado os meios legais disponíveis para reclamar", assegurou ainda.

De acordo com Tiago Vieira, decorre presentemente uma ação judicial do Tribunal Administrativo e Fiscal de Sintra (TAF) no valor de imposto superior a 1,6 milhões de euros", que, insistiu, está "integralmente pago".

O filho do presidente do Benfica avança que já existe jurisprudência que defende o entendimento do seu pai junto do Fisco, tendo inclusivamente sido emitido em 2017 pelo Supremo Tribunal Administrativo um acórdão de uniformização de jurisprudência relativa à aplicação no tempo da tributação das mais-valias mobiliárias.

"O meu pai aguarda que o tribunal se pronuncie em definitivo sobre este processo e que lhe seja restituído o valor de imposto quem, na sua opinião, foi liquidado em excesso", diz Tiago Vieira.

Nas palavras do filho do presidente do Benfica, "fica, assim, claro que o que está em causa não é nenhuma dívida que tenha para com o Estado", conforme chegou a ser noticiado, mas "sim um reembolso de imposto" que, no seu entendimento e de Luís Filipe Vieira, foi "pago em excesso".

O presidente do Benfica, Luis Filipe Vieira, e o vice-presidente do clube Fernando Tavares são arguidos na 'Operação Lex' que agora tem 12 arguidos, segundo revelou Procuradoria-Geral da República.

Em resposta à agência Lusa, a PGR "confirma a constituição como arguidos de Luís Filipe Vieira e de Fernando Tavares" na investigação que envolve também os juízes desembargadores Rui Rangel, ex-candidato à presidente do clube encarnado, e a sua ex-mulher Fátima Galante.

A PGR adianta que "o inquérito tem, neste momento, 12 arguidos constituídos, entre os quais cinco detidos, que serão, previsivelmente ao fim do dia (de hoje), presentes a primeiro interrogatório judicial para aplicação de medidas de coação".

A 'Operação Lex' investiga suspeitas de corrupção/recebimento indevido de vantagem, branqueamento de capitais, tráfico de influências e fraude fiscal.

A fase de inquirições judicial dos arguidos, para aplicação das medidas de coação, vai decorrer no Supremo Tribunal de Justiça, sendo dirigido por um juiz conselheiro daquele tribunal superior.

A Polícia Judiciária deteve na terça-feira cinco pessoas, entre as quais dois advogados e um oficial de justiça, e constituiu mais seis arguidos entre os quais estão os dois magistrados.

Foram realizadas 33 buscas, das quais 20 domiciliárias, nomeadamente ao Sport Lisboa e Benfica, à casa do presidente do clube, Luis Filipe Vieira, às habitações dos dois juízes e a três escritórios de advogados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)