Cuidadores de idosos já têm uma linha que os apoia

Associação de Alzheimer e clínica de Coimbra tiram dúvidas e dão apoio psicológico

"É complicado lidar com doenças do foro psiquiátrico. Por vezes é difícil saber como agir e atuar em termos de medicação, por exemplo." Júlia Seiça, de 56 anos, cuida da mãe, de 88, que sofre de depressão há várias décadas. Há dias mais calmos, mas por vezes surgem "momentos críticos", sobretudo quando há outra doença associada. É nessas alturas que a professora bibliotecária recorre à linha telefónica de apoio a cuidadores da Unidade Psiquiátrica Privada de Coimbra, onde a mãe é acompanhada. "Nas últimas semanas liguei várias vezes porque surgiu uma infeção respiratória e foi necessário alterar a medicação", conta ao DN.

Desde junho do ano passado que a Unidade Psiquiátrica Privada de Coimbra tem uma linha telefónica (939 324 289) através da qual presta apoio aos cuidadores dos seus doentes e a todos os que queiram obter esclarecimentos sobre demência e outras patologias do foro psiquiátrico. Um serviço semelhante ao que é disponibilizado pela associação Alzheimer Portugal desde 2015, através do número 213 610 465, cujo objetivo é prestar esclarecimentos imediatos sobre a demência e apoio psicológico a cuidadores. No ano passado, a linha respondeu a mais de 2800 chamadas.

"Nos doentes idosos, em situações de défice cognitivo, surgem muitas vezes episódios agudos inesperados e os cuidadores ficam sem saber o que fazer. A resposta tradicional é levar a pessoa às urgência ou chamar o INEM. Nós pretendemos ajudar a resolver a situação evitando que o doente vá ao hospital", explica ao DN Joaquim Cerejeira, diretor clínico da Unidade Psiquiátrica Privada de Coimbra. Refere-se, por exemplo, a episódios de agitação, insónia, alteração do estado mental, "por vezes desencadeados por infeções respiratórias".

Há também cuidadores que colocam dúvidas relacionadas com os efeitos secundários da medicação, a duração do tratamento ou mesmo sobre como lidar com o doente. São atendidos por enfermeiros especializados em saúde mental que, caso seja necessário e se o doente for seguido na clínica, encaminham a chamada para um médico. Uma resposta "fácil e eficaz", destaca o psiquiatra, que apoia os cuidadores no período entre as consultas.

Ana Margarida Cavaleiro, diretora do departamento de formação e projetos da Alzheimer Portugal, destaca que "estes são projetos da máxima importância porque muitos cuidadores sentem-se isolados. É bom saberem que há alguém do outro lado da linha para os ouvir, ajudar, dar estratégias." Muitas vezes, lamenta, os próprios familiares também ficam doentes, tanto física como psicologicamente. "Dão tanto de si que descuram a sua própria saúde."

Ao aperceberem-se de que muitos cuidadores estavam "muito deprimidos e cansados", os responsáveis pela Alzheimer Portugal resolveram criar a linha de apoio. "Tentamos dar resposta a todo o tipo de pedidos. Se o doente não quer comer ou tomar banho, por exemplo, damos estratégias para o cuidador ir tentando", explica Ana Margarida.

Os cuidadores, lembra Joaquim Cerejeira, estão "numa posição delicada", pois têm de lidar com a demência "24 horas por dia e com muitas situações inesperadas a acontecer".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.