Contratos de associação prosseguem onde não existir escola pública

"Onde não existe oferta pública, mantêm-se os contratos de associação com escolas particulares, como não pode deixar de ser", garantiu Catarina Martins

A porta-voz do Bloco de Esquerda (BE) vincou hoje que "não terminarão contratos de associação, em nenhum local, onde não exista escola pública", e sublinhou que, em causa, nesta matéria, está "o bom uso do dinheiro público".

"Onde não existe oferta pública, mantêm-se os contratos de associação com escolas particulares, como não pode deixar de ser. Não se pode negar o direito à educação em nenhum sítio do território português", vincou Catarina Martins, que falava aos jornalistas, em Lisboa, no final da Mesa Nacional do BE, que hoje se realizou.

O financiamento público do ensino particular e cooperativo voltou, na sexta-feira, a dividir o parlamento, com PSD e CDS a defenderem a sobrevivência destas instituições, e PS, BE e PCP e PEV a sustentarem o respeito pelo dinheiro dos contribuintes.

A pedido do PSD, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, esteve na Assembleia da República para um debate sobre os contratos do ensino particular e cooperativo, que têm estado envoltos em polémica, devido à decisão do executivo de os rever, tendo em conta a existência ou não de oferta pública.

Para a porta-voz do Bloco, o que está em causa neste campo "é o bom uso do dinheiro público, e o bom uso do dinheiro público é naturalmente onde há oferta pública, a escola pública, aquela que dá o direito à educação em condições de igualdade a todos e todas".

"O BE está do lado de quem defende a escola pública, e isso significa acabar com o abuso de o Estado pagar turmas em colégios privados, quando há uma escola pública ao lado que pode receber os alunos nas mesmas ou até em melhores condições", realçou Catarina Martins.

O BE reuniu hoje a sua Mesa Nacional, o órgão máximo do partido entre Convenções, numa altura em que se aproxima a X Convenção do partido, agendada para junho.

Os contratos de associação foram criados para garantir que nenhum aluno ficaria impedido de frequentar a escola, por não haver oferta na rede pública de estabelecimentos de ensino, prevendo-se, para esses casos, o financiamento da frequência em colégios privados.

Perto do fim do seu mandato, o ex-ministro da Educação do Governo PSD/CDS-PP, Nuno Crato, alterou o modelo de financiamento para os colégios com contratos de associação com o Estado - os contratos passaram então a ser plurianuais, com uma vigência de três anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.