Basílio Horta, a correção em três zeros que intrigou o Ministério Público

Presidente da Câmara de Sintra enganou-se na declaração de rendimentos de 2010. Colocou 5600 euros quando devia ter posto 5,6 milhões de euros. Ao todo teve de explicar rendimentos no total de 6,5 milhões de euros

Basílio Horta, atual presidente da Câmara Municipal de Sintra e ex-candidato à presidência da República, foi, segundo notícia do Correio da Manhã, questionado pelo gabinete do Ministério Público (MP) situado no Tribunal Constitucional (TC) a explicar a origem de rendimentos no valor de 6,5 milhões de euros segundo a sua declaração de 2010.

Mas houve um erro na declaração que Basílio Horta apenas corrigiu, por sua iniciativa, em agosto de 2017. Em vez de escrever 5,6 milhões de euros, o autarca colocou 5600 mil euros. Uma diferença de três zeros... que fez toda a diferença, pois foi a partir desta correção que foi notificado pelo gabinete do MP no TC, em novembro último, já que os seus rendimentos perfaziam 6,5 milhões de euros e o MP quis percebera origem do seu património financeiro

Basílio Horta justificou a verba acumulada com poupanças em depósitos a prazo ao longo do tempo e ainda "com investimentos, juros de capital, rendimentos prediais rústicos e urbanos, heranças e vendas de património urbano

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.