Basílio Horta, a correção em três zeros que intrigou o Ministério Público

Presidente da Câmara de Sintra enganou-se na declaração de rendimentos de 2010. Colocou 5600 euros quando devia ter posto 5,6 milhões de euros. Ao todo teve de explicar rendimentos no total de 6,5 milhões de euros

Basílio Horta, atual presidente da Câmara Municipal de Sintra e ex-candidato à presidência da República, foi, segundo notícia do Correio da Manhã, questionado pelo gabinete do Ministério Público (MP) situado no Tribunal Constitucional (TC) a explicar a origem de rendimentos no valor de 6,5 milhões de euros segundo a sua declaração de 2010.

Mas houve um erro na declaração que Basílio Horta apenas corrigiu, por sua iniciativa, em agosto de 2017. Em vez de escrever 5,6 milhões de euros, o autarca colocou 5600 mil euros. Uma diferença de três zeros... que fez toda a diferença, pois foi a partir desta correção que foi notificado pelo gabinete do MP no TC, em novembro último, já que os seus rendimentos perfaziam 6,5 milhões de euros e o MP quis percebera origem do seu património financeiro

Basílio Horta justificou a verba acumulada com poupanças em depósitos a prazo ao longo do tempo e ainda "com investimentos, juros de capital, rendimentos prediais rústicos e urbanos, heranças e vendas de património urbano

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.