Basílio Horta, a correção em três zeros que intrigou o Ministério Público

Presidente da Câmara de Sintra enganou-se na declaração de rendimentos de 2010. Colocou 5600 euros quando devia ter posto 5,6 milhões de euros. Ao todo teve de explicar rendimentos no total de 6,5 milhões de euros

Basílio Horta, atual presidente da Câmara Municipal de Sintra e ex-candidato à presidência da República, foi, segundo notícia do Correio da Manhã, questionado pelo gabinete do Ministério Público (MP) situado no Tribunal Constitucional (TC) a explicar a origem de rendimentos no valor de 6,5 milhões de euros segundo a sua declaração de 2010.

Mas houve um erro na declaração que Basílio Horta apenas corrigiu, por sua iniciativa, em agosto de 2017. Em vez de escrever 5,6 milhões de euros, o autarca colocou 5600 mil euros. Uma diferença de três zeros... que fez toda a diferença, pois foi a partir desta correção que foi notificado pelo gabinete do MP no TC, em novembro último, já que os seus rendimentos perfaziam 6,5 milhões de euros e o MP quis percebera origem do seu património financeiro

Basílio Horta justificou a verba acumulada com poupanças em depósitos a prazo ao longo do tempo e ainda "com investimentos, juros de capital, rendimentos prediais rústicos e urbanos, heranças e vendas de património urbano

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.