Costa desdramatiza previsões de Bruxela

"Há duas formas de estar na vida, os que ficam à espera que aconteça e os que fazem acontecer"

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu hoje a necessidade de contrariar o "fatalismo das previsões" e apostar em investimento inteligente que combine público com privado.

"Há duas formas de estar na vida, os que ficam à espera que aconteça e os que fazem acontecer", afirmou o primeiro-ministro durante a apresentação do Quadro de Investimento Inteligente de Vila Nova de Gaia, que representa mais 300 milhões de euros para o município.

Para António Costa não se trata de uma "questão de otimismo ou pessimismo mas de determinação e não aceitar qualquer tipo de fatalismo".

O chefe do Governo defendeu que se é preciso crescer mais, há que "fazer por crescer mais" e se é necessário investir mais, há que "criar condições para que haja mais investimento".

Sobre o investimento apresentado, António Costa realçou ser "mais um exemplo que desmente o fatalismo daqueles que só olham para as previsões".

"Porque as previsões ignoram a capacidade que temos de fazer com que o destino não seja uma fatalidade, mas a capacidade que temos de construir o nosso próprio futuro. Se nada fizermos, o resultado é um, mas se nós fizermos, o resultado é outro", assinalou.

Para o primeiro-ministro, esta iniciativa "casa perfeitamente com o que são as prioridades nacionais", porque "o investimento público não visa substituir o privado" mas sim criar melhores condições para o atrair.

Um das apostas passa pelo turismo -- "uma das componentes essenciais" da economia do país -- e pela valorização do território através de medidas como a exportação da excelência das universidades nacionais, explicou.

"Investir nos estudantes Erasmus é fazer um investimento para a vida", disse Costa, sublinhando que ninguém "esquece as experiências de viagens de finalistas" ou de Erasmus.

António Costa destacou ainda a necessidade de acelerar a execução dos fundos comunitários, revelando estarem atualmente abertos mais de 1.350 milhões de euros de verbas disponíveis para as autarquias, dos quais 400 milhões de euros estão já contratualizados.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.