Fenprof pede reunião com Marcelo para defender a escola pública

Sindicato diz representar os 70 mil assinantes da petição em defesa da Escola Pública. Esperam que Presidente da República os receba, depois de ter reunido com colégios

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) pediu uma reunião com o Presidente da República para debater os cortes de financiamento de novas turmas nos colégios e manutenção dos alunos na escola pública.

Em comunicado, o sindicato refere representar as mais de 70 mil pessoas que assinaram a petição em defesa da Escola Pública. A estrutura liderada por Mário Nogueira espera ser recebida por Marcelo Rebelo de Sousa já que o Presidente está "atento ao debate em curso" e "já reuniu com representantes de uma das sensibilidades desta discussão". Por isso, não tem dúvidas que "decerto, confirmando a sua postura democrática de auscultação de toda a sociedade, marcará para data próxima a audiência solicitada", lê-se no documento enviado às redações.

Em causa está os cortes de turmas de início de ciclo (5.º, 7.º e 10.º anos) em colégios privados onde a escola pública tem capacidade para receber alunos. A Fenprof está do lado do governo, lembrando que tem sido defendida a Constituição, que "com clareza, faz opção pela Escola Pública".

Marcelo Rebelo de Sousa recebeu o movimento Defesa da Escola Ponto, que representa os colégios privados, no dia 26 de maio. Nessa ocasião foi divulgado um comunicado pelo movimento que dava conta do apoio do Presidente na procura de consensos.

A Fenprof marcou também uma manifestação para 18 de junho, em defesa da escola pública.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.