FENPROF exige pagamento de trabalho extra com provas de aferição

Sindicatos vão disponibilizar minutas para os professores requererem nas escolas o pagamento do trabalho realizado além da atividade já programada

A Federação Nacional dos Professores (FENPROF) criticou hoje os meios envolvidos nas provas de aferição dos alunos do 2.º ano, afirmando que representam uma sobrecarga para os docentes e reclamando o pagamento de trabalho extraordinário.

Os sindicatos da FENPROF vão disponibilizar minutas para os professores requererem nas escolas o pagamento do trabalho realizado além da atividade já programada, anunciou a estrutura sindical em comunicado.

A FENPROF lamenta que o processo de aferição das aprendizagens dos alunos se revista de "uma encenação que causa perturbação nas escolas", transformada "numa espécie de exames".

Os alunos do 1.º ciclo que frequentam o 2.º ano de escolaridade realizam esta semana provas de aferição na área de expressões (físico-motoras e artísticas).

"A ideia que fica é que acabaram os exames do 4.º ano, mas foi criada uma espécie de exames para os alunos do 2.º ano", lê-se no documento.

A federação sindical considera que as provas estão a mobilizar "um exagero de recursos humanos", face ao número de professores envolvidos -- aplicadores, classificadores, interlocutores e supervisores.

As escolas começaram hoje a aplicar aos alunos do 2.º ano de escolaridade as provas de aferição de expressões, criadas no âmbito do novo modelo de avaliação anunciado no início da legislatura.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG