Areias de concelho comunista bloquearam marines dos EUA

Costa portuguesa revelou-se um inesperado obstáculo para os marines norte-americanos em exercício da NATO

Os fuzileiros portugueses a bordo dos dois hovercrafts a deslizar em direção à Praia da Raposa, carregadas de soldados e viaturas militares para um ataque anfíbio, nunca tinham andado a 80 km/hora. Mas a chegada acabou num anti-clímax: as embarcações norte-americanas não tinham velocidade suficiente para subir o declive de areia e sair da água.

Dada meia-volta para uma segunda tentativa bem-sucedida de desembarque naquela zona do município comunista de Grândola, seguiu-se outro imprevisto: as primeiras viaturas blindadas a deixarem os gigantescos hovercraft da Marinha dos EUA atolaram-se na areia - e nem com vários militares a empurrar saíam do local.

"É por isto que treinamos", explicou no final do exercício militar o contra-almirante Roy Kitchener, da força naval de ataque da NATO (STRIKEFORNATO) que está sediada em Oeiras - ecoando o que já tinha dito um outro oficial americano, com sorriso pálido, destacado junto dos jornalistas.

"Na minha perspetiva, como se tratava de um treino, tudo correu bem", observou o oficial general da NATO. "Como foi possível ver, existem sempre desafios ao trazer as forças para terra na praia, mas os fuzileiros e os 'marines' ultrapassam-nos", assegurou, adiantando: "Se fosse fácil, qualquer um podia fazer" aquelas manobras de projeção de força.

O ataque anfíbio combinado entre fuzileiros portugueses e marines dos EUA fez parte do exercício militar da NATO Trident Juncture 2015, destinado a treinar a interoperabilidade entre as forças militares dos aliados e que é o maior realizado pela Aliança Atlântica desde os anos 1990.

Se fosse fácil, qualquer um podia fazer

A decorrer até 6 de novembro em Portugal, Espanha e Itália, o Trident Juncture 2015 envolve cerca de 36 mil militares da NATO e de países parceiros com o objetivo político de demonstrar a capacidade dos aliados em "dar garantias" de que responderá militarmente a qualquer desafio ou ameaça que se coloque a qualquer dos seus membros ou países amigos, frisou o contra-almirante Roy Kitchener.

O cenário do exercício envolve o pedido de ajuda à NATO feito por um país onde as diferentes fações criaram um clima de instabilidade - cabendo às forças aliadas ocupar as áreas estratégicas (como portos de mar) que permitam ajudar as autoridades locais a estabilizar a situação.

Em Portugal, onde decorre a componente naval do Trident Juncture 2015, o exercício militar vai centrar-se nas áreas de Beja, Santa Margarida, Tróia e Setúbal. No terreno estarão mais de 10 mil efetivos de 14 países participantes, indicou o Estado-Maior General das Forças Armadas.

Elogio aos fuzileiros

A bordo de um dos hovercraft - que deveriam fazer várias viagens para transportar para a praia material militar do navio polivalente logístico USS Arlington, a cinco milhas da costa (oito quilómetros) - vinham o embaixador do EUA em Portugal, Robert Sherman, e o comandante naval português, vice-almirante Pereira da Cunha.

Além de fazer um rasgado elogio aos fuzileiros portugueses, que "são profissionais [e] falam inglês", o diplomata dos EUA realçou a necessidade do Trident Juncture 2015: "Considerando que vivemos em tempos perigosos, a habilidade de participar em exercícios como este, que resulta na multiplicação de forças e na capacidade de responder em conjunto, é importante."

Pereira da Cunha destacou a importância da NATO em garantir a livre circulação de pessoas e bens por via marítima num mundo global, onde predomina "a imprevisibilidade" de não saber "onde e quando pode ocorrer" um qualquer evento que afete os interesses aliados e exija respostas militares.

Assim, o Trident Juncture 2015 serve para "provar que a [NATO] existe e mostrar prontidão para responder" aos desafios e ameaças existentes, precisou o comandante naval português.

Com 180 marines e 140 fuzileiros a bordo dos hovercrafts, o ataque anfíbio lançado a partir do navio USS Airlington envolveu também três helicópteros CH-53 a sobrevoar as embarcações com as almofadas de ar vazias na areia para largar dezenas de militares a quilómetros da linha de costa.

Quanto às viaturas blindadas de oito rodas que se tinham atolado, os marines acabaram por seguir o conselho dado em voz alta por um fuzileiro português a meio da encosta: esvaziar (um bocado) os pneus para fazerem 'barriga' e aumentarem a superfíce de contato com a areia. Mesmo assim, um Humvee continuou atascado e os outros não sairam dos hovercrafts.

Exclusivos