Presidente da República condecorou Jorge Coelho a título póstumo

O antigo dirigente socialista, natural de Mangualde, no distrito de Viseu, morreu a 7 de abril, aos 66 anos.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou esta quinta-feira, a título póstumo, o antigo ministro e dirigente socialista Jorge Coelho com a grã-cruz da Ordem do Infante D. Henrique, numa cerimónia restrita no Palácio de Belém.

Esta condecoração foi divulgada esta quinta-feira através de uma nota no sítio oficial da Presidência da República na Internet.

"O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa condecorou hoje Jorge Coelho, a título póstumo, com a grã-cruz da Ordem do Infante D. Henrique, numa cerimónia restrita no Palácio de Belém, tendo sublinhado que o homenageado deixou um importante ensinamento: em democracia tem de existir responsabilização política pelos erros ou falhas do Estado e das suas estruturas", lê-se no texto.

Nesta nota, é destacado o gesto de Jorge Coelho de se demitir do cargo de ministro do Equipamento quando a Ponte Hintze Ribeiro, sobre o rio Douro, colapsou na noite de 4 de março de 2001, provocando a morte de 59 pessoas, afirmando que "a culpa não pode morrer solteira".

"Ao assumir que a culpa não podia ficar solteira na tragédia de Entre-os-Rios lembrou a todos os políticos que devem ao povo um respeito que exige um comportamento ético de grande rigor", considera-se.

A Ordem do Infante D. Henrique destina-se a distinguir quem tenha "prestado serviços relevantes a Portugal, no país e no estrangeiro, assim como serviços na expansão da cultura portuguesa ou para conhecimento de Portugal, da sua História e dos seus valores", de acordo com o portal das ordens honoríficas portuguesas.

Jorge Coelho, natural de Mangualde, no distrito de Viseu, morreu em 7 de abril passado, aos 66 anos.

O Presidente da República manifestou choque ao saber da notícia da sua morte e recordou o "espírito combativo" de Jorge Coelho considerando que, sem nunca exercer a liderança, o socialista influenciou a vida do país.

"Eu não posso esconder o choque do conhecimento desta morte inesperada", declarou Marcelo Rebelo de Sousa, em direto para a SIC-Notícias.

O chefe de Estado referiu que Jorge Coelho "esteve presente na vida pública portuguesa durante três décadas, em várias qualidades: como governante, como parlamentar, como conselheiro de Estado, como dirigente partidário, como analista político e depois, numa fase mais recente, como gestor empresarial".

A partir de 1992, com António Guterres na liderança, Jorge Coelho foi secretário nacional para a organização, contribuindo para a vitória eleitoral dos socialistas nas legislativas de 1995.

Nos governos do PS chefiados por Guterres, foi ministro Adjunto, da Administração Interna, da Presidência e do Equipamento Social e de Estado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG