Jerónimo: "PCP provou que é possível melhorar as condições de vida"

Numa mensagem de Ano Novo, o secretário-geral do PCP, garantiu que os portugueses podem "contar com o PCP" para "melhores salários e reformas, para garantir os direitos dos trabalhadores, combater os vínculos precários e os horários selvagens".

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu esta quinta-feira que os comunistas provaram que é possível melhorar as condições de vida dos portugueses mas "é preciso ir mais longe", assumindo-se como uma "força decisiva".

"Provámos pela intervenção do PCP que é possível fazer andar para a frente as condições de vida, fazer avançar, repor e conquistar direitos, salários, reformas. O que parecia e nos diziam ser impossível alcançar aí está, pela ação do PCP, da sua determinação de não desistir", afirmou Jerónimo de Soua, numa mensagem de Ano Novo, esta quinta-feira divulgada.

Entre as conquistas do partida, Jerónimo de Sousa destacou os "manuais escolares gratuitos, passe social intermodal e transportes mais baratos, aumentos extraordinários de pensões e agora creches gratuitas".

Admitindo que "é preciso ir mais longe", o secretário-geral comunistas assumiu-se como "força decisiva para assegurar uma política que responda aos direitos, às aspirações dos trabalhadores e do povo".

"Não iludimos a dimensão dos problemas. Mas sabemos que se for dada prioridade aos interesses dos trabalhadores e do povo, se houver uma política que ponha esses interesses à frente daqueles poucos que amassam fortunas e lucros à custa do trabalho de todos os outros há solução para os problemas", sustentou.

Jerónimo de Sousa deixou ainda a garantia de que os portugueses podem "contar com o PCP" para "melhores salários e reformas, para garantir os direitos dos trabalhadores, combater os vínculos precários e os horários selvagens que infernizam a vida de tantos, para defender o Serviço Nacional de Saúde de quem o quer destruir - assegurando que a consulta, o exame ou cirurgia que demoram a chegar sejam um direito de todos" ou ainda "para garantir o direito à habitação sem a incerteza de saber se se fica sem teto".

"A todos, neste limiar de um novo ano em que decisões importantes para a vida de todos terão lugar, reafirmamos a todos e a cada um que podem contar com este partido, para todos os dias lado a lado com os trabalhadores e o povo, prosseguir a intervenção por uma vida melhor, por um Portugal com futuro", rematou.

O Presidente da República convocou eleições legislativas antecipadas para 30 janeiro de 2022 na sequência do "chumbo" do Orçamento do Estado do próximo ano, no parlamento, em 27 de outubro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG