Costa quer "metade mais um" dos votos. E demite-se se perder

Líder do PS não usa o termo maioria absoluta mas fala em "maioria é maioria". Reiterou que não ficará à frente do partido se não vencer as eleições e recusou-se a "matar de vez" a geringonça.

O primeiro-ministro pediu o voto de "metade mais um" dos eleitores que forem às urnas em 30 de janeiro, sem recorrer ao termo "maioria absoluta", e reiterou que se demitirá se perder as eleições legislativas.

Entrevistado na CNN Portugal, António Costa foi questionado se a palavra "absoluta" queima e se o objetivo eleitoral é mesmo a maioria absoluta e respondeu sem hesitar, mas voltando a evitar a palavra "absoluta".

"Não é uma questão de queimar, maioria é maioria. O que é que é maioria? É metade mais um. Pronto, é isso, para mim é muito claro", respondeu o líder socialista e chefe do executivo à questão colocada pela jornalista Anabela Neves.

Confrontado com o "enterro" da solução de Governo à esquerda, designada por "geringonça", Costa rejeitou essa hipótese: "Não podemos, não devemos dizer que morreu de vez".

Costa reiterou, por outro lado, que abandonará o Governo se perder as eleições legislativas antecipadas de 30 de janeiro.

"Se uma pessoa é primeiro-ministro durante seis anos, se durante seis anos os portugueses têm a oportunidade de acompanhar e avaliar o trabalho, e se ao fim de seis anos não dão confiança ao primeiro-ministro com uma vitória eleitoral, bom, isso é manifestamente um voto de desconfiança dos portugueses no primeiro-ministro e, então, aí eu tenho de tirar as devidas conclusões e demitir-me", assinalou.

O líder do executivo justificou em poucas palavras as razões que o levaram a não fazer uma remodelação do Governo e assegurou que se achasse que Eduardo cabrita deveria ter saído do Ministério da Administração Interna mais cedo, teria mexido no executivo.

"Eu não acho que o país tenha algo a ganhar com mudanças sucessivas [no Governo] nem acho que se governe bem inventando bodes expiatórios para os problemas que existem. Um dos problemas que o país tem tido é haver em vários ministérios instabilidade permanente e eu orgulho-me bastante de ter tido um Governo bastante estável", sustentou.

O primeiro-ministro adiantou, aliás, que estava a pensar fazer uma remodelação no executivo após a aprovação do Orçamento de Estado, o que acabou por não acontecer.

"Tinha pensado que, depois de concluído o processo orçamental, deveria haver uma remodelação. Não houve aprovação do Orçamento, todo esse calendário se alterou", disse.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG