Viagem de Magalhães. Polémicas são "visão paroquial" , diz MNE

O ministro desvaloriza a discussão sobre se o mérito desta viagem histórica foi de Espanha ou Portugal. "A viagem não teria sido possível se não tivesse havido capitais espanhóis, saber fazer português e pilotos de diferentes países europeus", sublinha Augusto Santos Silva

As polémicas em torno da primeira viagem de circum-navegação assentam numa "visão muito paroquial" de "um feito notabilíssimo" que valorizou o conhecimento, os oceanos e o contacto entre povos, afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva.

"Para vários, não sei se muitos, se poucos, mas para vários, Magalhães ainda é um motivo para uma discussão, na minha opinião sem nenhum sentido, sobre os méritos relativos de Espanha e Portugal no século XVI", salientou Santos Silva numa entrevista à Lusa a propósito das comemorações dos 500 anos da primeira viagem de circum-navegação da Terra.

Em março deste ano, depois de Portugal anunciar a candidatura a património mundial da Rota de Magalhães, o jornal espanhol ABC pediu e publicou um parecer da Real Academia de História espanhola atestando a "hispanidade" da viagem de circum-navegação, parecer que desencadeou uma forte polémica entre historiadores.

A viagem foi organizada pelo navegador português Fernão de Magalhães, com o financiamento do rei de Espanha, e comandada por ele até à sua morte, nas Filipinas, em 1521, a partir de onde ficou sob comando do navegador espanhol Juan Sebastián Elcano.

"Na verdade [a polémica] é uma visão muito paroquial e o que importa é perceber que Magalhães começou e Elcano concluiu não só a primeira viagem de circum-navegação como a viagem que permitiu descobrir a passagem entre o Oceano Atlântico e o Oceano Pacífico, fazer a primeira travessia contínua do Oceano Pacífico, em grande parte absolutamente desconhecido na altura e seguir uma nova rota do Índico e do Atlântico Sul no regresso a Sevilha", disse o ministro.

No enteder do responsável pela diplomacia do Estado português, tratou-de de "um feito notabilíssimo" pois ao fazê-lo, não só valorizaram os oceanos como conectaram muitos países. Ora, os oceanos e conectividade são questões chave do século XXI".

Para Santos Silva, essa foi "mais uma razão" para os governos de Portugal e de Espanha terem definido como "ideia força" das comemorações "usar a viagem de circumnavegação com uma fonte de inspiração para a ação global internacional de hoje, porque é esse o seu principal valor".

Capitais espanhóis, bem fazer português

O Ministro assinala que "ninguém teria conseguido aquilo, do ponto de vista técnico e da navegação, se não houvesse a cartografia portuguesa, a cartografia italiana, a cosmografia árabe, os contributos judaicos e espanhóis, e se os portugueses e os espanhóis não tivessem sabido, nos alvores da modernidade, fazer daquelas fontes dispersas um saber - experimental, técnico e científico --próprio".

Além disso, realça, "a viagem não teria sido possível se não tivesse havido capitais espanhóis, saber fazer português e pilotos de diferentes países europeus", "se não tivesse podido escalar o que hoje são o Brasil, Uruguai, Argentina, Chile, depois as Filipinas, Indonésia, Timor, Moçambique, África do Sul, Cabo Verde" e o mundo não teria "conhecido tão bem a viagem" sem o relato do geógrafo e navegador italiano Antonio Pigafetta.

Augusto Santos Silva defende que "a melhor maneira de olhar para Magalhães e Elcano é dizer aí estão uns sujeitos que fizeram uma coisa que é muito inspiradora para o que nós temos que fazer hoje. Não já com caravelas, mas com as técnicas e os meios de hoje".

Exemplo dessa "fonte de inspiração", lembrou, é o facto de "uma das sondas mais importantes da NASA se chamar Sonda Magalhães". "Porque o espaço está para nós hoje, no século XXI, como o oceano estava para os europeus no fim da Idade Média e no princípio da Idade Moderna. É o novo a descobrir".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.