PS salienta apoio à nova lei dos táxis e não aprova para já alterações

Taxistas protestaram entre os dias 19 e 26 deste mês contra a "lei da Uber", que entra em vigor a 1 de novembro

O PS salientou esta quinta-feira que apoia a lei que vai entrar em vigor sobre transporte de passageiros em veículos caraterizados e descaraterizados e que não aprovará qualquer alteração até que haja conclusões na comissão parlamentar de descentralização.

Esta posição foi transmitida aos jornalistas pelo líder parlamentar do PS, Carlos César, um dia depois de os taxistas terem decidido levantar os seus protestos contra a lei das plataformas eletrónicas de transporte de passageiros.

Carlos César congratulou-se com estes desenvolvimentos, que surgiram na sequência de uma reunião, na quarta-feira, "a pedido das associações representativas dos taxistas" com o PS.

No entanto, logo a seguir, Carlos César frisou que o Grupo Parlamentar do PS "apoia a lei que foi aprovada na Assembleia da República".

"No âmbito da Comissão para a Descentralização, que brevemente iniciará os seus trabalhos, o PS proporá que seja incluída também uma reflexão sobre a eventual atribuição às autarquias de competências em matéria de regulação e gestão de transporte de passageiros em veículos caraterizados e não caraterizados", disse.

Mas, salientou também o líder da bancada socialista, "o PS não aprovará nenhuma alteração à legislação que entrará em vigor, até ocasião posterior a que essa Comissão de Descentralização produza algum documento ou alguma opinião".

Os taxistas estiveram em protesto desde o passado dia 19, até quarta-feira, contra a entrada em vigor, em 01 de novembro, da lei que regula as quatro plataformas eletrónicas de transporte que operam em Portugal: Uber, Taxify, Cabify e Chauffeur Privé.

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Onde pára a geração Erasmus? 

A opinião em jornais, rádios e televisões está largamente dominada por homens, brancos, nascidos algures no século passado. O mesmo se passa com jornalistas e políticos que fazem a maior parte dos comentários. Este problema está há muito identificado e têm sido feitos alguns esforços para se chegar a uma maior diversificação desta importante função dos órgãos de comunicação social. A diversidade não é receita mágica para nada, mas a verdade é que ela necessariamente enriquece o debate. Quando se discute o rendimento mínimo de inserção, por exemplo, o estatuto, a experiência, o ponto de vista importa não só dentro da dicotomia entre esquerda e direita, mas também consoante as pessoas envolvidas estejam mais ou menos directamente ligadas aos efeitos das políticas em discussão. Esta constatação é demasiadamente banal para precisar de maior reflexão. Acontece que, paradoxalmente ou não, se tem assistido a uma maior diversificação social entre a classe política activa do que propriamente entre aqueles que sobre ela opinam.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.