Tancos: Chefe do Exército deu informação errada ao parlamento

Rovisco Duarte disse aos deputados que a PJ só tinha feito o "auto de apreensão" oito meses depois do material de guerra ter sido "recuperado", mas a PJM já o tinha feito em outubro

O Chefe de Estado-Maior do Exército (CEME) deu uma informação errada sobre o processo de Tancos aos deputados da Comissão de Defesa Nacional (CDN). Na audição a propósito da noticiada discrepância entre a lista do material de guerra furtado e o recuperado - alegada pelo Ministério Público (MP) em março de 2018 num recurso para o Tribunal de Relação - Rovisco Duarte afirmou que a Polícia Judiciária (PJ) só tinha feito o auto de apreensão do material de guerra em junho.

Esta revelação acabou por contribuir para descredibilizar a ação do MP, sublinharam ao DN fontes que acompanharam a investigação. "Se a PJ só fez o auto em junho, como poderia o MP ter identificado uma discrepância em março?", questionam. Por outro lado, acrescentam, "mostrou que o CEME ou não estava bem informado ou, igualmente grave, foi intencional para desvalorizar a discrepância".

"Esse material veio a ser objeto de um Auto de Apreensão, datado de 18 de junho de 2018, elaborado pela Polícia Judiciária, no qual são descritos os bens apreendidose que se encontram à guarda do Exército", escreveu num ofício que entregou aos deputados. Esta informação acabou por merecer o destaque das notícias na altura, pela surpresa que causou a demora da PJ - oito meses.

De acordo com fontes judiciais que acompanham o processo esta informação "está incorreta" porque, na verdade, o dito auto de apreensão do material "recuperado" na Chamusca - cuja operação está em investigação sob suspeita de ter sido encenada - tinha sido feito logo na altura em que o armamento foi encontrado pela Polícia Judiciária Militar (PJM), a 18 de outubro de 2017.

Em Junho há, de facto, um segundo auto, por iniciativa do Ministério Público e concretizado pela PJ , mas não incidiu sobre o material de guerra. Segundo as mesmas fontes, o alvo da PJ terá sido os "caixotes e embalagens onde o material de guerra estava acondicionado", para efeitos de recolha de provas (impressões digitais, vestígios para análise forense, comparação com outros identificados noutros casos).

O gabinete de Rovisco Duarte nega, no entanto, o erro. "O Senhor General CEME não deu qualquer informação errada aos Senhores Deputados, como é afirmado na pergunta", é respondido ao DN, sem outra explicação.

CDS achou "estranho"

"Admitindo que foi um lapso ou que o CEME tinha recebido essa informação errada de subalternos, não deixa de ser preocupante que, tendo em conta o que estava em causa, um Chefe de Estado-Maior não consiga garantir informação rigorosa no parlamento", assinala uma fonte do da CDN, que pediu para não ser identificada.

Confrontados pelo DN, outros deputados da CDN, não veem, para já, que o dito engano tenha consequências relevantes no apuramento da verdade sobre o caso do roubo e da recuperação do material de guerra, mas não escondem algum incómodo.

"Não sei que diga, mas admito que possa ter havido um lapso", afirma Marco António Costa, que preside à CDN. Jorge Machado, do PCP, pensa que pode ter sido um "simples equívoco, sem relevância no que era realmente importante esclarecer nessa audição - e que ficou por esclarecer - que era saber se havia mais material que não tinha sido recuperado, além das munições de 9 mm".

João Rebelo, o coordenador do CDS para a Defesa, recorda que, na altura achou "estranho", "até porque nem batia certo com as datas do recurso que o DCIAP tinha feito para o tribunal de Relação, em março de 2018, no qual já seria referido o tal auto de apreensão da PJM, de outubro". Por outro lado, lembra que "ainda está por saber se o CEME também disse a verdade quando invocou o segredo de justiça para negar aos deputados a lista do material recuperado".

Lista em segredo de justiça?

O CDS quis que o Exército facultasse à Comissão a lista do material que a PJM foi buscar à Chamusca para poder comparar com a listagem do que tinha sido roubado, de forma a confirmar, ou não, a tal discrepância identificada pelo MP. Rovisco Duarte, contudo, nada adiantou, invocando que tal lista estava em "segredo de justiça", apenas apresentando como dado novo o tal auto de apreensão da PJ de junho.

A pedido dos centristas, em 7 de setembro último, a CDN pediu à Procuradoria-Geral da República (PGR) que confirmasse as informações do CEME, nomeadamente se a listagem do material recuperado estava mesmo em segredo de justiça, tendo em conta que o inventário do material furtado é público. "Não recebemos ainda resposta", confirmou ao DN Marco António Costa. "Estranhamos esta demora", reforça João Rebelo.

Questionada pelo DN, fonte oficial da PGR respondeu que "o requerimento foi apreciado e a resposta ao mesmo será remetida, em breve, à Comissão de Defesa Nacional".

Entretanto, esta tarde essa resposta chegou ao parlamento, mas, de acordo com o presidente da Comissão, não será divulgada "sem que seja aclarado um parágrafo constante do ofício" sobre a questão do segredo de justiça. O DN pediu a Marco António Costa e ao deputado do CDS, João Rebelo, para esclarecer se, afinal a lista está ou não em segredo de justiça, mas ainda não obteve resposta.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.