Um a um. Os perfis de todos os ministros do novo Governo

O próximo Conselho de Ministros vai ter um primeiro-ministro, 19 ministros e três secretários de Estado. No Governo com mais ministérios e mulheres de todos os governos constitucionais, há um jurista-dentista, dois licenciados em Bioquímica, ex-autarcas e uma ministra que foi absolvida do crime de difamação num julgamento recente.

Primeiro-ministro

António Costa

Nasceu em Lisboa há 58 anos (1961). Licenciado em Direito na Universidade Clássica de Lisboa. Exerceu advocacia. Militante do PS desde a juventude. Foi deputado, eurodeputado, secretário de Estado (Assuntos Parlamentares), ministro de várias pastas (Justiça, Administração Interna e Assuntos Parlamentares). Presidente da câmara de Lisboa de 2007 a 2015. Eleito líder do PS em 2014. No ano seguinte chega a primeiro-ministro, com o PS em minoria mas suportado por uma solução política inovadora, a geringonça. Liderando o PS, venceu as eleições legislativas do passado dia 6 de outubro (36,65% e 106 deputados).

Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital

Pedro Siza Vieira

Nascido em 14 de julho de 1964, Siza Vieira é outro dos amigos de António Costa. Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, a mesma de Costa e Cabrita, foi recomendado pelo atual primeiro-ministro para o governo de Macau. Militante do PS, nos anos 1990 dedicou-se à advocacia deixando para segundo plano a militância política, a que regressaria no último governo, com a nomeação para ministro Adjunto, em outubro de 2017. Sócio da firma Linklaters, no momento da nomeação, o advogado assumiu cargos públicos indicado pelo Governo de Costa: membro da Estrutura de Missão para a Capitalização das Empresas, integrou o grupo de trabalho da reforma da supervisão financeira e o grupo para encontrar soluções para o crédito malparado na banca.

Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros

Augusto Santos Silva

Nasceu no Porto em 1956. Licenciado em História, aderiu ao PS em 1990, foi deputado no Parlamento de 2002 a 2005 e em 2011. Foi ministro da Educação e de Cultura, no segundo governo de António Guterres. Nos executivos de José Sócrates esteve como ministro dos Assuntos Parlamentares (nos quatro anos da maioria absoluta socialista) e da Defesa Nacional, no segundo governo. No executivo que agora terminou funções foi ministro dos Negócios Estrangeiros, pasta que repete no XXII Governo Constitucional. É casado e pai de três filhos. Doutorou-se em Sociologia pelo ISCTE -IUL e fez a agregação em Ciências Sociais na Universidade do Porto, onde é professor catedrático da Faculdade de Economia.

Ministra de Estado e da Presidência

Mariana Vieira da Silva

Nasceu em Lisboa há 41 anos (1978). Em fevereiro de 2019 foi promovida de secretária de Estado adjunta do primeiro-ministro a ministra da Presidência e Modernização Administrativa, cargo que mantém no próximo Governo mas sem a Modernização Administrativa. Licenciada em Sociologia no ISCTE, foi investigadora no CIES-IUL (Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do Instituto Universitário de Lisboa). Começou a trabalhar em gabinetes ministeriais em 2005 como adjunta da então ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues. É filha de José António Vieira da Silva, o dirigente do PS que, a seu pedido, deixa o cargo de ministro do Trabalho e Segurança Social para se reformar da política. É uma fervorosa adepta do Sporting e, antes de ir para o Governo, tinha forte presença nas redes sociais.

Ministro de Estado e das Finanças

Mário Centeno

Algarvio de Olhão, nasceu em 1966. Licenciado em Economia, pelo ISEG, Mário Centeno é mestre e doutorado em Economia na Universidade de Harvard, EUA. É ainda mestre em Matemática Aplicada no ISEG. Em 2015 coordenou o grupo de economistas que preparou o cenário macroeconómico do PS para a legislatura 2015-2019 e assumiria no XXI Governo a pasta das Finanças. Foi eleito presidente do Eurogrupo a 4 de dezembro de 2017. Deputado eleito por Lisboa à Assembleia da República, é consultor da Administração do Banco de Portugal, desde 2014, onde foi diretor-adjunto do Departamento de Estudos Económicos no banco central, entre 2004 e 2013. É professor catedrático do ISEG.

Ministro da Defesa Nacional

João Gomes Cravinho

João Titterington Gomes Cravinho nasceu em Lisboa há 55 anos (1965), sendo licenciado e doutorado em Ciência Política (licenciatura pela London School of Economics e doutoramento em Oxford). Foi embaixador da UE na Índia e no Brasil. Em outubro de 2019, substituiu na pasta da Defesa o ministro Azeredo Lopes, forçado a demitir-se por causa do escândalo de Tancos. Antes de chegar a ministro tinha sido, nos governos de José Sócrates, secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação. Foi professor na Nova, no ISCTE e em Coimbra.

Ministro da Administração Interna

Eduardo Cabrita

Nasceu no Barreiro, em 1961. Licenciado em Direito, amigo de faculdade de António Costa, com quem está desde os tempos da JS. É o ministro da Administração Interna, desde 18 de outubro de 2017, quando substituiu Constança Urbano de Sousa, que se demitiu na sequência dos incêndios desse ano. Era então o ministro Adjunto. Passou por Macau, quando o território chinês era administrado por Portugal, como adjunto do secretário-adjunto para a Justiça do Governo macaense em 1988/89 e como docente na Faculdade de Direito da Universidade de Macau em 1988/90. Foi secretário de Estado Adjunto do ministro da Justiça no XIV Governo Constitucional, entre 1999 e 2002 e presidiu à Assembleia Municipal do Barreiro de 2002 a 2006. Deputado à Assembleia da República entre 2002 e 2005 e entre 2009 e 2015, foi secretário de Estado Adjunto e da Administração Local entre 2005 e 2009.

Ministra da Justiça

Francisca Van Dunem

Nasceu em Luanda, em 1955. Licenciada pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, em julho de 1977, é magistrada do Ministério Público desde setembro de 1979. A primeira mulher negra a chegar a um executivo, Van Dunem mantém-se à frente da pasta da Justiça, área que conhece muito bem. Era procuradora-geral distrital de Lisboa, desde 2007, quando em 2015 suspendeu funções para tomar posse no XXI Governo Constitucional. É também juíza conselheira do Supremo Tribunal de Justiça, membro do Conselho Superior do Ministério Público e representante do Conselho Superior do Ministério Público no Conselho de Gestão do Centro de Estudos Judiciários.

Ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública

Alexandra Leitão

Nasceu em Lisboa em 1973. Aos 46 anos, é licenciada, mestre e doutora em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, onde também é professora auxiliar. Foi diretora-adjunta do Centro Jurídico da Presidência do Conselho de Ministros, onde desempenhou funções de consultora de 1999 a 2009 e em 2011, e vogal do Conselho Consultivo da Procuradoria-Geral da República entre 2011 e 2015. Adjunta do gabinete do secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, entre 1997 e 1999, era a secretária de Estado Adjunta e da Educação do Governo que agora cessa funções.

Ministro do Planeamento

Nelson Souza

Nasceu na Índia, em 1954, é licenciado em Finanças pelo Instituto Superior de Economia. Foi secretário de Estado das Pequenas e Médias Empresas, do Comércio e dos Serviços do XIV Governo Constitucional e chefe de gabinete do ministro da Economia do XIII Governo Constitucional. Foi secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão no executivo ainda em funções, tendo passado, desde fevereiro de 2019, a ministro do Planeamento no mesmo Governo. Souza já tinha estado com António Costa na Câmara de Lisboa: foi diretor municipal de Finanças na autarquia quando esta era gerida pelo atual primeiro-ministro, onde também desempenhou funções de assessoria de Costa.

Ministra da Cultura

Graça Fonseca

Nasceu em Lisboa em 1971 e é uma indefetível costista, acompanhando o primeiro-ministro desde há muito, quer na autarquia da capital, quer nos executivos governamentais. Doutorada em Sociologia pelo ISCTE, com mestrado em Sociologia pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e licenciada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, foi investigadora do Centro de Estudos Sociais de Coimbra. Vereadora na Câmara de Lisboa com os pelouros da Economia, Inovação, Educação e Reforma Administrativa, entre 2009 e 2015, foi levada por Costa para a secretária de Estado Adjunta e da Modernização Administrativa no Governo que agora termina funções. Na remodelação de novembro de 2018 passou a ministra da Cultura.

Ministro da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior

Manuel Heitor

Nasceu em setembro de 1958. É professor catedrático no Instituto Superior Técnico, em Lisboa. Doutorado pelo Imperial College de Londres em Engenharia Mecânica (Combustão Experimental), fez uma carreira académica ligada ao Técnico, onde coordenou os programas de doutoramento do IST em Engenharia e Políticas Públicas e em Engenharia de Conceção e Sistemas Avançados de Manufatura. Foi research fellow da Universidade do Texas em Austin, no Instituto IC2, Innovation, Creativity and Capital, e durante o ano letivo 2011/12 foi professor visitante na Universidade de Harvard, ambas nos EUA. Transita do Governo ainda em funções como ministro da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior.

Ministro da Educação

Tiago Brandão Rodrigues

Tiago Brandão Rodrigues nasceu em Braga, em 1977, tendo crescido em Paredes de Coura. Licenciou-se em Bioquímica em Coimbra. Até ir para o Governo dedicou-se à investigação científica (nos EUA, Reino Unido e Espanha). É especialista nas questões do metabolismo cerebral em doenças neurodegenerativas. Fez parte da chefia da missão da comitiva portuguesa aos Jogos Olímpicos de Londres de 2012, enquanto adido olímpico. Foi eleito deputado pelo PS pela primeira vez em 2015, encabeçando o círculo de Viana do Castelo, lugar que agora repetiu. Foi ministro da Educação nos últimos quatro anos sendo agora reconduzido. Nunca nenhum ministro da Educação tinha passado de uma legislatura para a outra.

Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social

Ana Mendes Godinho

Nasceu em 1972, é casada, tem três filhos. Licenciada em Direito, é a atual secretária de Estado do Turismo, onde está desde 2015. Antes tinha passado pelo Turismo de Portugal, onde foi vice-presidente. Foi também diretora dos Serviços de Apoio à Atividade Inspetiva da Autoridade para as Condições do Trabalho, coordenadora do Curso de Pós-graduação de Direito do Turismo na Faculdade de Direito de Lisboa, vice-presidente do Conselho Geral do Fundo Imobiliário Especial de Apoio às Empresas, administradora da Turismo Capital e da Turismo Fundos, entre outras funções ligadas ao turismo.

Ministra da Saúde

Marta Temido

Nasceu em Coimbra, em 1974. Marta Alexandra Fartura Braga Temido de Almeida Simões é doutorada em Saúde Internacional, pelo Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade Nova de Lisboa, mestre em Gestão e Economia da Saúde, pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, e licenciada em Direito, pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Possui ainda uma especialização em Administração Hospitalar pela Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa. É desde novembro de 2018 ministra da Saúde, quando entrou para o lugar de Adalberto Campos Fernandes. Foi um dos rostos da polémica Lei de Bases da Saúde, preferindo uma versão mais do agrado da esquerda do que aquela que ficou.

Ministro do Ambiente e da Ação Climática

João Pedro Matos Fernandes

Licenciado em Engenharia Civil no Porto, João Pedro Matos Fernandes nasceu em Águeda, em 1967. Trabalhou de 1990 a 1995 na CCDR do Norte. Começou a frequentar gabinetes governamentais em 1995 como adjunto. Foi vogal do Conselho da Administração dos Portos do Douro e Leixões entre abril de 2005 e maio de 2008 e presidente da Administração dos Portos do Douro e Leixões entre abril de 2008 e maio de 2012. Presidente da Administração do Porto de Viana do Castelo de janeiro de 2009 até maio de 2012. Professor no Instituto Superior Técnico e no Instituto Superior de Transportes. De 2014 a 2015 presidiu ao Conselho de Administração da Águas do Porto. Ministro do Ambiente do Governo de Costa desde o princípio, viu no entanto o ministério mudar de nome para do Ambiente e da Transição Energética em outubro de 2018. Agora o Ministério vai passar a chamar-se do Ambiente e da Ação Climática. Comenta-se que ambiciona ser nas próximas autárquicas candidato do PS à Câmara do Porto. É primo do ator Pêpê Rapazote e da cantora de ​​​​​​hip hopCapicua.

Ministro das Infraestruturas e da Habitação

Pedro Nuno Santos

Nasceu em São João da Madeira, Aveiro, em 1977, e é há muito apontado como um provável candidato à sucessão de António Costa. Licenciou-se em Economia, pelo ISEG, num tempo em que foi secretário-geral da Juventude Socialista (de 2004 e 2008). Presidente da Federação de Aveiro do PS entre 2010 e 2018, viu o partido obter nas últimas legislativas uma rara vitória (em votos e mandatos) no distrito. Trabalhou no grupo empresarial da família, Grupo Tecmacal, empresas ligadas a serviços e comercialização e desenvolvimento de equipamentos industriais, sediada em S. João da Madeira. Deputado na X e XII legislaturas, foi vice-presidente do Grupo Parlamentar do PS e coordenador dos deputados do PS na Comissão de Economia e na Comissão Parlamentar de Inquérito ao caso BES. No último governo foi o principal negociador da geringonça, enquanto secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, de novembro de 2015 a fevereiro de 2019. Nessa altura passou a ministro das Infraestruturas e da Habitação.

Ministra da Coesão Territorial

Ana Abrunhosa

Nasceu em Angola em 1970. Licenciada e doutorada em Economia, docente universitária em Coimbra. Vai para o Governo criar este novo ministério vinda da presidência da CCDR do Centro, que dirige desde maio de 2014, onde se destacou no acompanhamento dos projetos do Estado para a reconstrução dos municípios afetados pelos incêndios de 2017. Ana Maria Pereira Abrunhosa iniciou a sua atividade profissional na empresa Ernst & Young na área de auditoria, onde trabalhou desde julho de 1994 a outubro de 1995. Foi também investigadora do Centro de Estudos Sociais da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Já este ano, em maio, Ana Abrunhosa foi absolvida, juntamente com o seu ex-marido, Luís Borrego, pelo tribunal de Coimbra, da acusação feita pelo Ministério Público, em 2016, de crimes de difamação e denúncia caluniosa do anterior presidente da CCDRC, Pedro Saraiva.

Ministra da Agricultura

Maria do Céu Albuquerque

Maria do Céu Albuquerque nasceu em 1970, em Abrantes. É licenciada em Bioquímica pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra. Eleita pelo PS, foi presidente da Câmara Municipal de Abrantes durante nove anos e desde 2013 que preside ao Conselho Intermunicipal da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo. Em fevereiro de 2019 tornou-se secretária de Estado do Desenvolvimento Regional.

Ministro do Mar

Ricardo Serrão Santos


Ricardo da Piedade Abreu Serrão Santos nasceu em Portalegre em 1954. Vive nos Açores, entre São Miguel e o Faial. É licenciado em Psicologia e Ecologia Comportamental no Instituto Superior de Psicologia Aplicada e doutorado em Biologia Ambiental e Evolutiva na Faculdade de Ciências da Universidade de Liverpool (Reino Unido). Ocupa atualmente as funções de investigador principal da Universidade dos Açores, onde foi diretor do departamento de Oceanografia e Pescas (de 1997 a 2011). Presidiu ao IMAR (Instituto do Mar) de 2006 a 2014. Indicado pelo PS dos Açores, foi eurodeputado de 2014 a 2019.

Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares

Duarte Cordeiro

Nasceu em 1979 em Lisboa. É licenciado em Economia pelo Instituto Superior de Economia e Gestão e pós-graduado em Direção Empresarial pelo ISCTE. É um dos chamados "jovens turcos" socialistas e veio da Câmara de Lisboa, onde era vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa, desde abril de 2015, para o Governo, como secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares do XXI Governo Constitucional desde fevereiro de 2019, onde ocupou o lugar do seu amigo Pedro Nuno. Tal como este também foi secretário-geral da Juventude Socialista (de 2008 a 2010) e é o presidente da Federação da Área Urbana de Lisboa do PS.

Secretário de Estado Adjunto do Primeiro-Ministro

Tiago Antunes

Tiago Barreto Caldeira Antunes nasceu em Lisboa, em 1978. Licenciado e doutorado em Direito na Universidade de Lisboa. Ensina na Faculdade de Direito dessa universidade desde 2001, onde é professor auxiliar. Autor de diversas publicações científicas, em Portugal e no estrangeiro, em especial nas áreas do Direito do Ambiente, do Direito Administrativo e do Direito Constitucional. Politicamente, foi assessor no Parlamento Europeu entre 2016 e 2017. Depois foi adjunto e a seguir chefe de gabinete de Filipe Baptista, secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro José Sócrates, entre 2009 e 2011. Em fevereiro deste ano chegou a secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros do XXI Governo Constitucional.

Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros

André Moz Caldas

Nasceu em Lisboa em 1982. Começou por ser médico dentista e, mais tarde, licenciou-se em Direito, pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, onde é assistente convidado, desde 2012. É mestre em História do Direito (Direito Romano) e está a desenvolver a dissertação de doutoramento em Direito Romano na mesma Faculdade. Antes licenciou-se em Medicina Dentária pela Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa, onde também concluiu o ciclo de estudos conducente ao grau de mestre. Médico dentista e advogado, suspendeu as inscrições nas respetivas ordens profissionais devido ao exercício de funções públicas. É o atual presidente do Conselho de Administração do OPART - Organismo de Produção Artística e antes foi chefe do gabinete do ministro das Finanças, Mário Centeno. Foi presidente da Junta de Freguesia de Alvalade (de 2013 a 2018) e membro do Conselho Geral da Universidade de Lisboa (2008-2012).

Exclusivos